"Não percebo por que é uma polémica isto da Porto Editora"

A entrevista é no dia da primeira reunião entre BE e governo para o OE2017, mas não é uma entrevista sobre o orçamento.

Não é o que se chama "uma entrevista política", mesmo se é inevitavelmente uma entrevista política. "Nem perguntei os temas", diz ela antes de começar. Os temas são, o tema é, ela - Mariana Rodrigues Mortágua, alentejana do Alvito, economista, deputada do BE desde 2013, poster girl da esquerda portuguesa, a rapariga dos ténis All Stars, da voz e rosto serenos nas perguntas mortíferas que o país descobriu no inquérito ao BES. E motard, e às vezes jogadora de futebol sem se interessar, frisa, por ver "futebol profissional", e feminista, e ativista LGBT. E apreciadora de tascas e de deambulações que, surpresa surpresa, já fez o caminho de Santiago e prefere a música clássica ao rock. Ela e como se vê, e ao lugar em que está - e como, mulher, acusa a diferente exigência, o diferente olhar e a transversal, porque da direita à esquerda, condescendência que se exercem sobre as mulheres públicas - ao mundo em que vive, e o que gostaria de fazer nele e com ele.

Teve sempre este tom de voz , esta forma calma de falar?

Acho que sim. Não sou muito efusiva em geral e isso traduz-se na forma como me comporto socialmente e politicamente.

Há dois anos, disse ao Expresso: "A forma que se permite aos homens e às mulheres é uma questão politica: eles são aguerridos, elas são histéricas. (...) O que me é exigido em termos de razoabilidade e de calma não é exigido à maior parte dos homens." De que modo é que a noção que tem disto condiciona a forma como fala?

É natural em mim mas também percebo que sendo natural é uma vantagem. Porque não é permitido a uma mulher exaltar-se, levantar a voz e se o fizer tem de ser de uma forma muito específica. E a verdade é que isso aos homens é permitido. Não me parece que faça um esforço particular mas tenho consciência disso o tempo todo.

Já admitiu que grande parte do seu êxito na comissão de inquérito ao BES se deve ao facto de ser mulher e jovem, surpreendendo as pessoas com a sua calma e preparação. Mas há outra coisa: ser bonita. Sente a importância disso?

É uma pergunta difícil, porque a consciência do ser-se bonito vem normalmente de fora. E na verdade não tinha essa consciência até ser confrontada com o que as pessoas pensavam. Nunca tive a consciência de ser uma pessoa particularmente bonita. E apercebo-me de que isso é uma possibilidade a partir do momento em que fora de mim isso é falado. E que isso aparece como um fator. É uma coisa à qual não ligo especial importância, é o que é, mas percebo que tudo conta quando te expões publicamente, sobretudo sendo mulher. Porque nunca é assunto se os políticos homens são bonitos ou não; só se for um homem particularmente bonito. Se não for bonito é só um político. E nas mulheres essa avaliação é feita à partida, não há nenhuma naturalização como há nos homens. Isso vai condicionar a forma como te olham.

E eventualmente a forma como as mulheres aceitam expor-se.

Não sei se esse fator por si só condiciona a decisão de uma mulher. O que sei é que aceitam uma série de outras exigências com as quais um homem não tem de lidar. Começa pela roupa, pelo cabelo. Não consigo dizer o número de vezes que tenho de lidar, mesmo internamente, com opiniões sobre o meu cabelo e a minha roupa. Porque uns querem o cabelo solto, outros querem apanhado, porque acham que estou muito maquilhada, pouco maquilhada, que a minha roupa é x ou devia ser y. E não vejo essa pressão sobre os homens.

Diz "sempre fui muito maria rapaz. Nunca gostei que m colocassem no papel de menina." Mas foi nesse papel que se sentiu ao entrar na AR: "Tratada com condescendência e superioridade". Como se reage a isso?

Quando é muito óbvio o que me acontece é ser mais agressiva no debate, ainda mais confrontacional. Mas nem sempre é muito óbvio, e quando não é muito óbvio é mais difícil.

Até porque se reagir a isso de uma forma muito irritada está de alguma forma a validar um estereótipo.

Sim. E é por isso que é sempre uma armadilha. Porque ou se tem de trabalhar mais para provar que se está ali por outras razões que não... Ou se se reagir está-se a validar a ideia da histeria, porque ninguém vai compreender e toda a gente vai criticar, até porque há uma enorme condescendência social com a condescendência dos homens em relação às mulheres, a maior parte das vezes as pessoas nem percebem o que se está a passar, acham que é banalíssimo e não há nenhuma razão para a irritação.

Assunção Cristas acha que Costa a tratou com desrespeito ao tratá-la por "aquela senhora". Tem razão?

Não vi. Não quero falar sobre algo que não vi ou ouvi. Tenho alguma dificuldade em avaliar quando é que "aquela senhora" é condescendente e quando não é. Porque se diz sempre "a senhora Merkel" e às vezes "o senhor Hollande", às vezes só "Hollande".

Ninguém diz "o senhor Trump".

Ninguém diz. Que possa haver no uso da expressão uma condescendência muito internalizada e muito impercetível, não nego. Mas depois se é um ato de condescendência ou não depende do tom da forma e contexto. Mas uma coisa é verdade, e não ganhamos nada em negá-la: continua a haver, e é transversal nos partidos políticos, muita condescendência dos homens em relação às mulheres. E que se encontra em todas as bancadas, certamente é verdade. O assunto existe, é real.

Como viu, a propósito, a polémica dos cadernos da Porto Editora?

Sinceramente não percebo porque é que é uma polémica. Não podemos dizer à boca-cheia que não somos sexistas, que queremos uma sociedade livre de sexismo e depois ser altamente permissivos com todas as formas de sexismo, nomeadamente a reprodução de papéis de género que estão na base do sexismo, ainda mais em materiais educativos para crianças de quatro a seis anos. Ou somos brutalmente exigentes com a democracia que queremos ter, sobretudo na educação, ou continuamos a permitir a reprodução destes estereótipos e não podemos querer depois que a sociedade mude. Para mim é tão óbvio isto. Para mim não tem nada a ver com a liberdade de expressão, não tem nada a ver com liberdade literária, artística, de produção, nada a ver. Estamos a falar de materiais educativos. Não é liberdade ter material educativo que seja sexista; não, não é. Tal como não é liberdade ter material educativo que seja racista. Porque nós assumimos enquanto sociedade, e inscrevemos isso na Constituição, e em várias leis e convenções internacionais, que a sociedade em que queremos viver não é racista nem sexista.

Concorda com a recomendação da CIG para a retirada dos materiais, que a Porto Editora acatou?

Lá está: lamento que isto tenha de ser uma polémica. Se a CIG existe tem de ter um papel ativo. E acho que cumpriu o seu papel: identificou material educativo com elementos sexistas e recomendou que fosse retirado. Para que crianças de quatro anos não fossem expostas a um material que achamos que não cumpre os critérios. Se aquele material fosse racista acho que não havia esta polémica. Incomoda-me quando se usa a questão da liberdade de expressão e da liberdade de sociedade para tentar manter opressões. "Porque eu tenho liberdade de ser sexista" - não, não, desculpa, não tens.

Bom, sexista pode-se ser.

Não vou prender ninguém por ser sexista, tem-se a liberdade de o ser. Mas há uma diferença entre a liberdade de ser e a de exercer. E há formas de sexismo que temos de, coletivamente, contrariar - se for isso que decidimos. Se a decisão é continuar a ter uma sociedade sexista, é outra a conversa.

O BE esteve muito calado sobre isto.

Não sei. Se calhar estavam outras matérias em cima da mesa, pode ter sido uma questão conjuntural. Se há campo onde o BE não costuma estar muito calado e onde não tememos polémicas é neste.

Outra polémica na qual se notou o silêncio do BE foi a da assunção da secretária de Estado Graça Fonseca como homossexual. É uma ativista dos direitos LGBT; como viu isso e o debate que se seguiu?

Quem diz que não é importante e usa a célebre frase "eu também não vou para a rua dizer que sou hetero" - bom, para já vão, e toda a gente assume que se é hetero, portanto não há necessidade de dizer... É lógico que essa afirmação é importante para que a sociedade avance e desconstrua preconceitos e nesse sentido acho que o ato da Graça é corajoso e é importante politicamente.

Há quem diga que o chamado "politicamente correto", o discurso pela igualdade, de afirmação identitária das minorias, é responsável por fenómenos como Trump e Brexit.

Não tenho nenhuma dúvida de que há uma reação contra os discursos pela igualdade e identidade das minorias. O conservadorismo mexe, defende-se, ataca, reage. É normal que encontre os seus protagonistas e as suas formas de sobrevivência. Mas acho que aquilo a que assistimos advém de um conservadorismo que sempre existiu aliado a problemas económicos - na sequência da crise, da desilusão com o desempenho económico, do aumento das desigualdades, da pobreza, da precariedade. Tudo isto cria uma sopa, um manancial enorme que é fácil ser explorado e que normalmente é explorado pelas forças mais conservadoras - o conservadorismo que emerge muito frequentemente quando as pessoas sentem que o sistema não lhes dá resposta. E acho que isso é muito claro no caso dos EUA e de Trump. E quem olhar para a Europa e para os EUA com um bocadinho de cuidado verá muitas red flags [sinal de perigo] a abanar, não só por causa da xenofobia, racismo, por causa da regressão dos direitos, mas também por causa do ressurgimento da guerra, que nunca acabou mas hoje parece mais evidente.

Portugal não é xenófobo e racista ou não houve até agora uma força política que explorasse esse filão?

Portugal é xenófobo e racista, embora goste de viver na ilusão e na narrativa de que não o é, ou de que o é de forma mais suave que noutros países, coisa que não me parece sequer que seja verdade - pode ser uma xenofobia ou racismo mais velado ou menos orgulhosamente exibido - mas a verdade é que está lá, da violência policial aos guetos, à falta de representação e representatividade de uma série de comunidades que existem, existem há muitos anos e são muito importantes em Portugal. E portanto que é xenofobia racista não há nenhumas dúvidas. Por que é que não há um partido de extrema-direita em Portugal ou cujo grande programa político seja uma base racista e xenófoba? Acho que há vários motivos para isso. Há uma base muito consolidada histórica do Partido Comunista - e o Bloco também tem esse papel - absorvendo muito do descontentamento das pessoas e não deixando descambar para bodes expiatórios mais fáceis. A esquerda tem esse papel importante e o facto de haver uma esquerda à esquerda do PS consolidada em Portugal ajudou nisso. Acho que a extrema-direita não tem protagonistas para o fazer, e por isso há um PNR que é felizmente irrelevante, e dentro do sistema o aproveitamento que se faz dos temas racistas e xenófobos é oportunístico. O CDS vai lá às vezes - foi lá quando Portugal tinha muito mais imigrantes do que tem hoje, em 2006, 2007, lembramo-nos das campanhas do CDS contra a imigração, contra o RSI -; e vemo-lo agora no PSD, que percebendo que fora de Portugal há uma oportunidade em certo tipo de discurso, começou com um discurso anticiganos aberto e despudorado num candidato autárquico e depois com declarações de Passos Coelho sobre a lei da nacionalidade, com a história de "não pode entrar qualquer pessoa, temos de ser seletivos", como se Portugal não tivesse enviado toda e qualquer pessoa para todos os países possíveis e imagináveis, não é?

Com o recente ataque em Barcelona vimos Portugal a preparar-se visivelmente, com a colocação de barreiras nas zonas pedonais. Como vê esta quase banalidade do terrorismo na Europa?

Já houve outros tempos em que a Europa teve mais terrorismo, talvez. É um fenómeno muito complexo, porque mexe com aquilo que nos é mais caro - a segurança, a liberdade. É uma daquelas matérias em que temos de ser muito racionais, e não nos deixarmos levar pelos instintos mais básicos, da proteção a todo o custo. Porque na verdade isso nem sempre é proteção. E há muitas formas de olhar para a questão do terrorismo. A primeira, que me parece importante, é que precisamos de proteção e segurança, é óbvio, mas quando deixamos que essa necessidade de proteção e segurança mexa com a nossa liberdade, a liberdade que queremos para a sociedade, estamos a dar pontos a quem nos ataca. A entrar num jogo de restrição de liberdades que nos tornam se calhar muito menos parecidos com a sociedade que afirmamos querer defender. E por isso acho que é preciso sangue frio para não ceder a esse medo que nos querem impor, porque não podendo invadir territorialmente invade-se maximizando o alcance e os estilhaços de cada ato e tornando-o tão mediático quanto possível... E isso cria uma ideia de permanente insegurança e permanente terror que é o que eles querem. E essa batalha é difícil de ganhar e entendo que ela não se ganha colocando cidades inteiras em estado de sítio nem populações inteiras sob vigilância permanente.

Foi notícia há muito pouco tempo que PGR e MAI admitem que as câmaras de vigilância de rua gravem som. Como olha para isso?

Olho a partir de 1984. Acho que não podemos permitir uma invasão de liberdade desse nível. Para já, a existência de câmaras de vigilância na rua, para começar, é uma matéria que não me parece que devêssemos aceitar. E depois estar permanentemente a ser vigiado com a possibilidade de estarem a ouvir as nossas conversas pessoais e privadas... Ultrapassa qualquer limite do razoável. Não entendo em que é que a segurança aumenta com ouvir as conversas na rua. A questão aqui é básica: os cidadãos não devem admitir que na cidade onde vivam estejam a ser controlados 24 horas por dia. Isto mexe com princípios básicos de liberdade de movimento, de expressão, de direito ao anonimato, à privacidade. Não devemos permitir isto. Quando se abre esta porta onde é que se fecha?

Que tipo de regime defende para Portugal? Há ou houve algum no mundo que esteja perto do que almeja? Por outras palavras, como seria Portugal governado pelo BE?

Não gosto de fazer esses exercícios porque a história é dinâmica e dialética e as sociedades também. Não se criam sociedades em laboratório, são sempre produto de muitas transformações, e uma sociedade em que o BE tivesse maioria seria necessariamente uma sociedade diferente da que existe hoje. Portanto é difícil para mim imaginar o que é um regime perfeito. Há critérios que acho que são importantes e norteiam um bocadinho a ação política do BE: justiça fiscal, controlo sobre setores estratégicos da economia, liberdades individuais. Há todo um conjunto de matérias que são conhecidas, e são programa do Bloco, e que acho que aproximariam muito Portugal de um projeto ou um ideal, caro à esquerda, de justiça e desenvolvimento social e económico. Mas não quero fazer comparações porque não defendo nenhum regime - para já não defendo nenhum regime dos chamados ditos do "comunismo real".

Existe algum?

Não. Acho que todos eles deixaram há muito tempo o que seria sequer um ideal, quanto mais real. Angola não é um sítio que respeite sequer princípios de democracia, China não é, Cuba não é, a Venezuela tem dado passos muito perigosos para deixar de ser...

Alguma vez foi?

Acho que teve momentos. Houve um programa que quando existiu desafiava muito os poderes instalados, a interferência externa que existe e sempre existiu dos EUA na Venezuela e na América Latina em geral, que desafiava muito as grandes corporações e multinacionais . E grande parte da oposição que o governo da Venezuela teve desde o início, no princípio do Chavez, tem a ver com ter desafiado os poderes instalados e ter querido de facto mudar alguma coisa em favor da população da Venezuela.

Mas havia ali desde o início uma tentação autocrática muito grande.

Mas eu não julgo tentações, julgo atos. E acho que apesar de tudo houve avanços muito importantes no programa de Chavez, em termos de literacia, de retirada de pessoas da pobreza - é preciso perceber o que eram estes países antes. E o que foram sob domínio estrangeiro e das multinacionais, como as pessoas viviam. O problema começa quando não se rompe com a corrupção do Estado. E não se rompe com a monocultura do petróleo - e isso é o princípio do fim, depois agudizado quando perante uma crise de legitimidade económica e social, a resposta de Maduro, já não de Chavez, é autoritária e de restrição de liberdades - e isso é a tal tentação que não é admissível. E para acabar a resposta sobre se acho que há um algum regime... A tendência que há para sacrificar a democracia em nome dos amanhãs que cantam é o princípio da destruição dos amanhãs que cantam. Portanto nada e em nada a democracia pode ser sacrificada. E se eu tenho um projeto para o país ele terá de ser sempre um projeto maioritário. Se não é um projeto maioritário, não é um projeto que sirva o país. E isso tem de ser ponto assente. Mas não há, e não é bom haver, uma cartilha artificial, digamos assim.

A que ponto a debacle do Syriza e lição de realismo que implicou foi importante na decisão do BE de viabilizar um governo do PS?

Acho que o Syriza e o Bloco estavam em situações muito diferentes, para começar. E acho que pelo contrário, o que aconteceu ao Syriza não demonstrou ao Bloco que se deveria conformar e ser realista e existir dentro do quadro. Acho que demonstrou ao Bloco a verdadeira natureza das instituições europeias e a forma como só poderemos de facto ter um programa transformador para Portugal rompendo com esse quadro institucional.

Mas não é isso que está a acontecer.

Claro que não. Mas Portugal não está a ter um programa transformador. Está a ter um governo que conseguiu uma maioria parlamentar com um contexto muito específico, em que se tem um partido, o PS, dentro da maioria parlamentar com larga maioria dos votos e um partido com 10% que não faz o programa - um partido com 10% não faz um programa, tem poder com os seus 10% de viabilizar ou não viabilizar uma solução política, de permitir com isso ou não avanços específicos que travam a direita no seu programa de destruição e terraplanagem dos direitos laborais e de construção do Estado social em Portugal. Portanto o que se passou nas últimas eleições foi uma decisão, à escala dos 10% do BE, para travar o projeto político radical da direita que estava a ser implementado a todo o gás. E essa maioria que hoje existe conseguiu avanços importantes, reverter algumas medidas, muitas, de direita, devolver alguma dignidade a quem trabalhava e trabalha no país, e está a conseguir avanços significativos em algumas áreas. Mas está longe de ser um programa transformador, tanto que não o é que continuamos a ser brutalmente condicionados em investimentos que são importantíssimos para o país - em escolas, saúde, serviço público. E a verdade é que pouco mudou na lei laboral desde que... Nada mudou. Este governo está a fazer coisas importantes - muito fruto da conjuntura e da pressão do BE certamente mas está longe de ter o programa de transformação que o BE tem.

Louça diz que vai ser ministra das Finanças. Diga três medidas que tomaria como tal.

Não seria ministra das Finanças deste orçamento. Nem deste orçamento, nem deste governo, nem desta conjuntura.

Só o país é que era o mesmo.

[ri] Não gosto de fazer essas comparações.

“Os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corzinhas, brinquedos de menina nem cor-de-rosa”

Sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock

Tinha 13 anos quando o BE foi fundado. Se não houvesse BE onde estaria?

Ui. Nunca me fizeram essa pergunta. [reflete] Acho que estaria nos movimentos sociais. Dificilmente algum dos outros partidos me atrairia.

Entrou aos 15 na Associação Jovem para a Justiça e Paz. É ou era o quê?

Acho que já não existe. Era uma associação que em tempos tinha sido uma coisa católica, mas já não era, liderada pela Teresa Cunha, uma ativista feminista de Coimbra.

Coimbra? Mas vivia no Alvito.

Aconteceu porque houve um intercâmbio em Alvito com os putos de uma casa abrigo - ou de uma associação, já não me lembro - e conhecemo-nos assim. Tinham um trabalho engraçado, muito virado para as questões do pacifismo, já com uma base anticapitalista, feminista, antirracista - foi aí que conheci o Pureza [José Manuel], num seminário sobre Direitos Humanos, e o Falcão [José], do SOS Racismo. E foi a minha introdução ao ativismo, à politização.

Mas nasceu numa família hiperpolitizada.

Sim, mas onde por exemplo o feminismo não era a questão mais politizada. Outras seriam.

Os seus pais conheceram-se na Torre Bela [herdade dos Duques de Lafões ocupada a 23 de abril de 1975]. Tal como o seu revolucionário pai (Camilo Mortágua), a sua mãe, que é assistente social e tem menos 21 anos, também andou na revolução. Quer contar alguma coisa sobre esse encontro?

Não sei muito sobre isso. A minha mãe tinha 20 e poucos anos e o meu pai devia ter 50. Ele recomeçou a vida aos 50. Ainda no outro dia estávamos a falar sobre isso lá em casa, essa segunda vida. E a história que sei - às vezes a gente nem sabe se as histórias que sabe são verdadeiras ou se foram romantizadas - é que o meu pai estava na Torre Bela e a minha mãe tinha acabado a faculdade e ia para um estágio no Norte...

Serviço cívico?

Exatamente. Ouviu dizer que tinham ocupado uma herdade e parou para ir ver. E acho que gostou do processo - aliás a Torre Bela é um processo conhecido por isso, imagino que muito atrativo - e ficou. E foi assim.

A Mariana e a gémea Joana nasceram 11 anos depois. Já não são fruto do Processo Revolucionário Em Curso.

Não. Embora lá em casa seja sempre um processo revolucionário em curso.

Porquê?

Porque o meu pai é um permanente revolucionário. Mais que não seja na forma como vai vendo o mundo.

E como vê o facto de a filha - as filhas - estar a viabilizar um governo do PS, a dar a mão ao establishment?

Não sei se isso é dar a mão ao establishment. Não foi feito para isso mas para parar a destruição do país. Ele, como qualquer pessoa de esquerda em Portugal que estava aterrorizada com o que estava a acontecer e a quem de alguma forma incomodava alguma incapacidade de diálogo entre as várias esquerdas, acho que vê a experiência como uma experiência positiva.

Está próximo de algum partido?

Do Bloco. O meu pai está muito envolvido no Bloco. A minha mãe diria que está bastante perto.

Esta entrevista era para ter lugar em casa deles, no Alvito, de onde veio esta semana. Que faz lá?

Para além de comer? [Ri] Alvito é um sítio onde vou pouco mas quando vou nunca quero sair. Gosto muito de estar em casa, a ler ou a trabalhar. É bom para descansar. Chega-se ali, o ritmo cardíaco baixa, tens a planície à tua frente, 40 quilómetros de horizonte. E gosto de me sentar a uma mesa e comer e beber e estar na conversa. No outro dia fui para Alvito e estava num sítio chamado Papa Borregos...

Onde se papam borregos?

Por acaso comem-se uns bons torresmos. É o grupo coral de Papa Borregos. E é sempre isto: sento-me lá a beber uma mini com uns amigos e nunca se sabe como acaba. Porque dentro daquela vila de 1500 pessoas acontecem coisas. Por exemplo, estava lá com os meus pais e apareceu um italiano que estava a filmar o grupo coral e que ia a pé para a Vidigueira. Uma amiga nossa diz "Não vais nada a pé, a gente leva-te". Em três segundos estava montada uma caravana de três carros para o levar. Só que a caminho da Vidigueira faz-se a roda das tascas de Vila de Frades, vamos parando aqui e ali para provar isto e aquilo. Portanto de um copo no Papa Borregos acabámos à meia-noite na Vidigueira. É assim. As pessoas juntam-se e depois...

Há quanto tempo anda de moto?

Sou uma encartada recente. Aprendi a conduzir já deputada, há quatro anos, por aí. Sempre achei graça a motos, tinha uma Scooter. E quando tirei a carta quis tirar a carta de moto porque, bom, era giro. E hoje não tenho carro - tinha um velho, deu o último suspiro há pouco tempo -, porque andar de carro na cidade é uma forma de stress.

E para o Alvito, também vai de moto?

Sim. Fui para o Porto, para Sines, para o Algarve, Alvito, corri tudo.

Também faz parte da tal recusa das "coisas de menina"?

Se calhar é uma coisa de maria-rapaz, pode ser. Nunca pensei nisso. Mas não gosto de me pôr nessas caixinhas.

Essa expressão, maria-rapaz, tem muito que se lhe diga.

Muitíssimo. Condensa umas 30 500 discriminações e preconceitos. Mas sim, a moto é um objeto normalmente associado ao masculino. O que é uma idiotice. Felizmente isso começa a mudar. Na verdade, os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corezinhas, brinquedos de menina nem cor-de-rosa. Brinquei com bonecas como brinquei com carrinhos. Tinha tudo. Podia ter uma cozinha mas também brincava com pilhas e coisas eletrónicas. Sempre nos foi dado todo o leque de opções.

Estive a ouvir a sua playlist na TSF. Muita música brasileira e latino-americana, alguma portuguesa, menos anglo-saxónica. Tudo muito suave. A Mariana motard de Perfecto de cabedal e All Stars não gosta de sons mais pesados?

Não gosto muito de rock'n'roll. As contradições... Quando saio gosto de dançar, gosto de house e trance. Isso é para dançar - há um estilo de música que gosto de dançar. E há um estilo de música que gosto de ouvir. E não lido bem com muito barulho. É uma chatice, não gosto de rock. Consigo reconhecer que é bom, sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock.

Outra coisa algo surpreendente: fez o caminho de Santiago, há uns anos. Algo que pouca gente esperaria da poster girl da esquerda. O que foi lá fazer?

Passear. E fá-lo-ia outra vez, gostei imenso da experiência. A possibilidade de fazer um caminho a pé e o desafio físico que é esse caminho e conhecer um sítio específico, a Galiza é muito bonita. E as pessoas fazem aquilo por muitas razões: os caminhos em si, por razões místicas, religiosas. E eu conheci toda a gente. Tanto ia conversando com o padre que ia para Santiago como com a excursão de senhoras um bocado como as do filme Fátima [de João Canijo], como ia encontrando pessoas que estavam a fazer aquilo pelo desporto.

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub