DN celebra 153 anos de vida com quatro dias de conferências

Os Compromissos de Portugal com a Europa. Foi sob este lema que o DN convocou personalidades da economia e da política

O palco será sempre o mesmo: a Sala Sophia de Mello Breyner Andresen, no Centro Cultural de Belém (CCB). De hoje até dia 21, quinta-feira, decorrerá ali um ciclo de quatro conferências organizadas para celebrar o 153.º aniversário do DN.

Subordinadas ao tema "Os compromissos de Portugal com a Europa", as conferências levarão ao CCB personalidades da economia e da política, representando estas todo o leque partidário, desde membros do governo PS, passando pelo PSD e incluindo os líderes do Bloco de Esquerda e do PCP, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa. Estes participarão na última conferência, Que Europa Queremos?, na quinta-feira, bem como a líder do CDS, Assunção Cristas. Convidado está também o comissário europeu da Economia, Pierre Moscovici, e ainda o ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que encerrará. Outros participantes nesse último dia deste ciclo de conferências serão o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho, e o antigo MNE Martins da Cruz.

O ciclo inicia-se hoje pelas 10.00 e o tema será "Infraestruturas". As perguntas são várias: qual o impacto do Plano Juncker, do Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos, em Portugal? Como é que as instituições europeias podem servir de apoio à decisão política estratégica a nível nacional? Portugal tem um défice de pensamento estratégico e de decisão política nesta área? Quais as áreas de intervenção prioritárias para o próximo quadro comunitário 2020-2027: energia; infraestruturas sociais; transporte; digital; agricultura; eficiência de recursos e ambiente? Aceitaram participar no painel o economista português (residente nos EUA) Alfredo Marvão Pereira, bem como o eurodeputado do PSD José Manuel Fernandes, o bastonário da Ordem dos Engenheiros Carlos Mineiro Aires, e o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

"Economia social e emprego" será o tema do segundo dia de conferências, terça-feira, para discutir o atual momento de transição entre um tempo de crise, com elevadas taxas de desemprego, e a afirmação da quarta revolução industrial. Participarão António Tomás Correia (presidente da Associação Mutualista Montepio), os eurodeputados Marinho e Pinto (Aliança dos Democratas e Liberais) e Maria João Rodrigues (PS), Silva Peneda (ex-ministro, conselheiro da Comissão Europeia) e o ministro Vieira da Silva (Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social).

Encontrar resposta aos desafios de uma crescente urbanização e envelhecimento da população será o tema em debata no terceiro dia de conferências. Para o painel "Cidades e mobilidade" estão convocados António Oliveira Martins (CEO da Leaseplan), os eurodeputados João Pimenta Lopes (PCP) e José Inácio Faria (MPT), Tiago Lopes Farias (CEO da Carris) e Fernando Medina (presidente da Câmara Municipal de Lisboa).

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.