Democracia está de "boa saúde" mas há "males" a prevenir

Uma sala de filósofos da política ao mais alto nível e o prémio Nobel da Literatura, Mário Vargas Llosa, prescreveram algumas "receitas" para fortalecer o ainda "melhor sistema do mundo"

Sentado em pose descontraída, sorriso aberto e o seu denso cabelo prateado impecavelmente penteado, Mário Vargas Llosa conversou um pouco com os jornalistas, momentos antes da sua conferência que iria encerrar, com chave de ouro, o dia. E o dia foi Democracia. "Que Democracia?", mais precisamente, o desafio lançado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e para o qual convidou alguns dos mais conceituados académicos da ciência política do mundo.

Sereno, o escritor e prémio Nobel da Literatura, respondeu a todas as perguntas, incluindo sobre a eleição de António Guterres para secretário-geral da ONU. "Desejo-lhe os maiores êxitos. Fez um excelente trabalho no Alto Comissariado para os Refugiados. Tem credenciais magníficas. Foi uma excelente eleição", salientou ao DN. Sobre a política portuguesa preferiu não fazer grandes comentários porque "não conhece a fundo", mas, quando questionado sobre a aliança do PS com partidos da extrema esquerda, disse que "não é assim tão estranho". "Ás vezes a água mistura-se com o azeite e funciona", sublinhou.

No dia de conferências e debates ficou claro que ainda ninguém, pelo menos entre os conceituados cientistas convidados, descobriu um sistema político melhor que a democracia. Na intervenção de encerramento, Vargas Llosa recordou alguns que falharam redondamente "como o nazismo, o fascismo e o comunismo". Este último, frisou, "uma utopia que prometia a perfeição" que "nunca foi, nem será atingida! Llosa garantiu que "a democracia está de boa saúde e que, apesar de não ser perfeita, cria a coexistência na diversidade, o que os outros regimes não conseguiram e foi o seu pecado capital". Identificou nos sistemas democráticos atuais, duas "ameaças", a corrupção e o terrorismo islâmico. A corrupção, sublinha, "é uma autêntica gangrena que corrói a democracia" e deu como exemplo a vizinha Espanha em que o contágio desse crime aos grandes partidos, como o PSOE e o PP, resultou no desencanto da sociedade com a política, principalmente os jovens. "Estão de novo a voltar-se para as utopias e isso não é bom!". Fazendo uma retrospetiva da evolução dos sistemas políticos na América Latina, com os "trágicos exemplos de Venezuela e Cuba", o escritor deixa o alerta: "Hoje há democracias mais ou menos perfeitas, mais ou menos corruptas, mas a América Latina já aprendeu que as utopias não trazem o paraíso à terra, nem a igualdade para todos. Criam o inferno".

Sobre o terrorismo, deixou o aviso em relação "a certos movimentos que se estão a criar que defendem medidas antidemocráticas para melhor o combater".

Outro "mal" foram identificados por Ian Shapiro, o politólogo de Yale: a influência que os pequenos partidos podem ter nos governos, devido à necessidade de coligações para a maioria, apesar de terem uma representatividade reduzida. Shapiro defende partidos "grandes e fortes" que possam absorver várias ideias no debate interno, "sem ficarem reféns dos pequenos partidos". O investigador de ciência política é crítico do sistema eleitoral norte-americano que permite que Donald Trump esteja na posição em que está."É um exemplo de como um grupo pode tornar refém um grande partido" .

Duas politólogas, a belga Chantal Mouffe, professora em Westminster, e Jean Cohen, que leciona na Universidade de Columbia, concordaram na necessidade de prevenir os "populismos" de esquerda e direita. Como? Não ignorando os motivos das pessoas que votam neles e, como fez Hillary Clinton com Bernie Sanders, que defendeu as minorias, colocar os seus temas na agenda.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.