Costa colocou "Maria de Lurdes Rodrigues mais próxima do PSD do que do atual governo"

PSD acusa PS de ter política "retrógrada" na educação e a, a nível económico, de seguir "internacional syrizista".

O primeiro vice-presidente do PSD, Jorge Moreira da Silva, disse esta noite durante o Conselho Nacional do PSD que a política "retrógrada" que o executivo PS tem seguido na educação "torna Marçal Grilo e Maria de Lurdes Rodrigues mais próximos do PSD do que do atual governo".

Jorge Moreira da Silva referia-se ao fim de uma parte significativa do financiamento para os contratos de associação, questão que tem marcado o debate político nas últimas semanas. O dirigente social-democrata disse ainda que a atual visão para a educação atira o país para antes da primeira revisão constitucional. "Há muito tempo que desapareceu [em Portugal] a ideia de que o serviço público se confunde com serviço estatal", atirou Moreira da Silva.

Em conferência de imprensa, o vice-presidente do PSD acusou o PS de fazer parte de um "internacional syrizista", com uma política orçamental "irresponsável", uma política económica "anacrónica" e uma política social "ideológica". Moreira da Silva comparou várias vezes Portugal à Grécia.

O dirigente social-democrata acusou o Governo do PS de estar em "campanha eleitoral" e de ter destruído todos os bons indicadores que o anterior executivo tinha conquistado para a economia portuguesa.

Num cenário negro, Moreira da Silva enumerou sinais negativos como a "redução das exportações em 3,9%", destacou que "o investimento parou" e falou ainda da quebra da "confiança dos investidores". Lembrou ainda que quando o governo PSD/CDS terminou as suas funções, o país "crescia acima da média europeia" e agora só cresce acima da Grécia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.