Colégio de Leiria diz que não foi notificado da inspeção

Colégio Conciliar de Maria Imaculada está a ser alvo de "processo de averiguações" devido a denúncias de possíveis pressões sobre os alunos para participarem em protestos

O Colégio Conciliar de Maria Imaculada, de Leiria, um de dois estabelecimentos em relação aos quais o Ministério da Educação confirmou ao DN terem sido instaurados "processos de averiguações" pela Inspeção Geral da Educação e da Ciência (IGEC), emitiu um "esclarecimento" onde afirma desconhecer as diligências de que é alvo.

"Até à data, o Colégio não foi notificado nem pela IGEC nem por qualquer outra estrutura do Ministério da Educação", diz a nota divulgada pelo estabelecimento.

Refira-se que a IGEC não tem por hábito notificar previamente estabelecimentos alvo de averiguações. De resto, na resposta enviada pelo ministério ao DN, no sábado, foi deliberadamente omitido o nome de um segundo colégio alvo do mesmo procedimento, precisamente por motivos relacionados com a investigação.

O colégio conciliar acrescenta que também não tem informações sobre o descontentamento de encarregados de educação devido ao envolvimento dos alunos nos protestos contra os cortes nos contratos de associação. .

"Nem a direção do Colégio nem a direção da Associação de Pais receberam qualquer queixa de pais sobre manipulação ou "instrumentalização" de alunos no respeitante a atividades levadas a cabo pelo núcleo de ação do Colégio do Movimento Defesa da Escola Ponto. Pelo contrário, houve mensagens de apoio e muita adesão à luta travada pelas escolas com contrato de associação".

O termo "instrumentalizados" foi referido em depoimentos atribuídos a encarregados de educação numa reportagem publicada pelo Jornal de Leiria, no dia 26 de maio, da qual o DN deu conta na notícia publicada este domingo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.