Chefe do Exército diz-se "humilhado" por erros militares e iliba poder político

O general Rovisco Duarte disse ontem aos deputados da comissão parlamentar de Defesa que houve "desleixo" e "falhas de supervisão" em Tancos

O comandante do Exército "assumiu responsabilidades totais" do ramo pelo assalto aos paióis de Tancos, descoberto durante uma ronda feita na quarta-feira da semana passada, soube o DN.

De acordo com fontes parlamentares - ouvidas sob anonimato por não estarem autorizadas a falar sobre a audiência de ontem ao chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) na comissão de Defesa, que decorreu à porta fechada -, o general Rovisco Duarte disse "duas vezes ter-se sentido chocado e humilhado" com o sucedido e que espera obter "em três ou quatro semanas" os resultados das investigações que determinou.

Dessa posição resultou o ilibar do ministro da Defesa de quaisquer responsabilidades sobre o sucedido, até porque Azeredo Lopes "só assinou um documento [relativo à autorização dada para se fazerem obras na vedação dos paióis] com informação financeira", referiu o CEME aos deputados. Rovisco Duarte, segundo uma das fontes, reafirmou ter confiança nos comandantes e que só os exonerou para os manter afastados dos processos de averiguações em curso.

Fontes militares ouvidas pelo DN manifestaram-se indignadas com o CEME pela aparente contradição resultante de atribuir ao Exército completa responsabilidade pelo roubo e, ao mesmo tempo, afirmar que mantém total confiança nos comandantes que exonerou - sendo apenas reempossados aqueles que forem ilibados nas investigações em curso, como reconheceu o Exército ao DN.

Numa audiência que durou cerca de três horas, o chefe militar informou os deputados de que inicialmente pensou em exonerar apenas "três dos cinco comandantes" das unidades envolvidas na segurança dos paióis. Contudo, optou pelos cinco porque todos tinham responsabilidades nessa matéria. Certo é que essas exonerações "não foram consensuais" entre o corpo de generais do ramo no ativo, disse o general. Mas essa decisão de demitir os cinco comandantes - quatro coronéis e um tenente-coronel - foi tomada "para sacudir a instituição e para não voltar a acontecer" uma situação como a descoberta na passada semana, afirmou o CEME, segundo as fontes do DN.

"Se no fim" dos inquéritos houver dados que justifiquem novas demissões, o general garantiu que o fará. Contudo, não respondeu quando questionado sobre se sentia ou assumia responsabilidades pelo ocorrido enquanto chefe do Exército, comentou uma das fontes do DN. "Há ali desleixo, cumplicidades, falhas de supervisão [...] e quando temos dentro de casa alguém que nos quer roubar...", disse o general Rovisco Duarte, citado pelas mesmas fontes, embora dizendo que sobre este ponto falava "a título pessoal".
O general revelou também aos deputados que nos dois paiolins de onde desapareceu material de guerra estavam mísseis anticarro Milan e TOW, que admitiu poderem não ter sido roubados devido ao seu volume ou peso, precisou uma das fontes. "Ficámos todos [espantados]" na comissão de Defesa com a revelação daquele dado e com as potenciais consequências do seu desaparecimento, declarou a fonte.

Rovisco Duarte disse ainda, segundo duas das fontes ouvidas, desconhecer qual o intervalo de tempo que medeou entre as duas rondas em que alegadamente terá ocorrido o corte da vedação - depois de ter admitido que terão sido cerca de nove horas e meia, precisou uma dessas fontes.

Reconhecendo que existiu "um problema de comando" no modelo de vigilância dos paióis que facilitou o roubo de material militar no valor de cerca de 34 mil euros, o CEME afirmou que não foi a falta de pessoal a explicar o ocorrido - tanto mais que, reconheceu uma das fontes, o general deu o exemplo dos efetivos que o Exército tem para participar no combate aos fogos. Confrontado sobre se nos vários meses de mandato tinha falado com os seus homólogos da UE e da NATO sobre os roubos de material de guerra em unidades militares em França e na Alemanha nos últimos dois anos, o general do CEME "disse que não" e justificou isso com o argumento de que "estavam preocupados com os refugiados".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG