Cavaco: "Lesar ou desvalorizar a condição militar é enfraquecer a Nação"

Presidente da República cessante defende estabilidade legislativa e recursos necessários para avaliar reforma das Forças Armadas

Cavaco Silva afirmou esta quarta-feira que "lesar ou desvalorizar a condição militar é enfraquecer a Nação".

O Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas intervinha na cerimónia com que a instituição militar se despediu dele no Instituto Universitário Militar (IUM), em Pedrouços, Algés.

Enaltecendo o desempenho dos militares nas missões que têm cumprido, nomeadamente no exterior, o Chefe do Estado declarou que "um tal desempenho só é possível porque se alicerça numa sólida formação ética e moral dos militares e assenta numa estrutura coesa, disciplinada e bem preparada, timbres intemporais da condição militar".

"A preservação e a dignificação dessa condição são obrigações que devem ser claramente assumidas pelo Estado e cultivadas com honra e sobriedade pelos militares. Lesar ou desvalorizar a condição militar é enfraquecer a Nação", adiantou Cavaco Silva, perante o ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

Reconhecendo que "a prudência" marcou as "sucessivas reformas das Forças Armadas, Cavaco Silva deixou um alerta sobre a realizada pelo anterior governo: "Terminada a fase de elaboração das leis que enquadram a atual reforma, há que assegurar a estabilidade legislativa e os recursos necessários para que possa ser avaliada a sua adequação aos objetivos."

"As Forças Armadas devem ser objeto de uma cultura de compromisso e consenso institucional entre as forças políticas e os diferentes órgãos de soberania", enfatizou o Presidente da República cessante - que nos seus mandatos rejeitou pelo menos um dos nomes propostos para chefe militar (aquando da sucessão do anterior comandante da Marinha).

Esse é "um consenso que tem existido e que se revela indispensável para garantir o apoio eficaz à ação de comando das chefias e as condições de estabilidade, coesão e disciplina essenciais para o normal funcionamento da Instituição Militar", destacou Cavaco Silva.