Assunção Cristas. Aumentos de impostos comprovam que modelo económico do Governo falhou

Líder do CDS acusa o primeiro-ministro de não ter sido capaz de manter os compromissos que anunciou

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse hoje que, a confirmarem-se, as notícias divulgadas nas últimas semanas sobre aumentos de impostos comprovam que o modelo económico proposto pelo atual Governo falhou.

"E hoje temos mais essa notícia que, a confirmar-se, demonstra que António Costa, mais uma vez, não foi capaz de manter os seus compromissos e não foi capaz porque o modelo que propôs ao país simplesmente não está a funcionar", salientou, referindo-se a uma notícia do jornal Público que levanta a hipótese de o fim da sobretaxa de IRS ser faseado para os rendimentos mais altos.

Assunção Cristas falava, em declarações aos jornalistas, na cidade da Horta, no Faial, onde participa na campanha eleitoral para as eleições legislativas regionais dos Açores, que ocorrem a 16 de outubro.

Para a líder centrista, o modelo de crescimento do atual Governo, assente essencialmente no consumo, "falhou redondamente", porque está a descurar "a dinamização da economia, o investimento privado e também público, que está a decrescer muito, e as exportações".

Assunção Cristas, que disse há uma semana, nos Açores, que o Governo anunciava aumentos de impostos todas as semanas, a propósito do agravamento fiscal para o alojamento local, voltou a criticar o executivo socialista.

"Já é quase dia sim, dia não, em que vemos mais uma notícia de trapalhadas fiscais por parte deste Governo. Agora a notícia é que, afinal, a sobretaxa ao que parece, mas ainda não sabemos nada, esperamos saber depois no Orçamento de Estado, não vai acabar como tinha sido promessa de António Costa, há um ano, de que acabaria a sobretaxa em dois anos", frisou.

Segundo a edição de hoje do jornal Público, que atribui a informação a fontes do executivo, "a sobretaxa do IRS não deverá acabar ao mesmo tempo para todos os contribuintes em 2017, como está hoje previsto".

"O cenário que o Governo tem em cima da mesa, mas que ainda está sujeito a alterações, passa por garantir que a sobretaxa acabará para todos os contribuintes durante o próximo ano, mas de forma faseada, penalizando os rendimentos mais altos. O cenário que o Governo está a estudar, passa, na prática, por manter a sobretaxa sobre os rendimentos mais altos e ir desagravando a carga fiscal ao longo do ano até que esta seja eliminada", acrescenta o Público.

A líder do CDS-PP lembrou também as notícias que dão conta da criação de impostos sobre o sal e o açúcar, mas também sobre o vinho, que disse ser "particularmente grave", porque o setor agrícola está "a trabalhar muito bem" e poderá ser "afetado por esse agravamento fiscal".

"Estamos a viver de notícias sempre inacabadas, nunca explicadas, mas que geram uma grande inquietude e uma grande incerteza", frisou.

Assunção Cristas acusou o Governo de aplicar uma "austeridade à 'la esquerda'", que afeta a classe média, dando como exemplo o aumento do IMI com base nas vistas e no sol e o imposto sobre o património.

"O que julgo que é, neste momento, absolutamente evidente para todos os portugueses, é que o fim da austeridade, na verdade, não aconteceu. O que aconteceu, sim, foi uma substituição da austeridade", salientou.

A líder do CDS-PP chegou na sexta-feira à ilha das Flores, onde participou em várias ações de campanha, tendo seguido esta tarde para a ilha do Faial.

À noite participa num jantar-comício na ilha Terceira, onde tem ainda uma ação de campanha agendada no domingo de manhã.

Assunção Cristas já tinha estado em quatro ilhas dos Açores no arranque da campanha eleitoral oficial e deverá regressar antes das eleições, marcadas para 16 de outubro.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...