Agente da PSP dá sermão bíblico a detidos

Numa esquadra do Porto, um agente da PSP repreende detidos com recurso a passagens bíblicas. O momento foi filmado e o Comando Metropolitano da PSP diz que vai "averiguar"

"Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé", ouve-se o agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) dizer para três detidos - dois homens e uma mulher - numa esquadra do Porto. O momento foi captado num vídeo que o Jornal de Notícias divulgou.

Ao longo de cerca de quatro minutos vê-se o polícia em pé a dar um sermão aos três detidos, sentados e algemados, com recurso a passagens bíblicas. "Sabeis que andais no caminho das trevas. Não é o caminho certo, pois não? Andais em pecado", diz o agente da autoridade num espaço, onde outros polícias estão a trabalhar.

O JN entrou em contacto com o Comando Metropolitano do Porto que disse desconhecer a situação, mas que vai "averiguar" o que aconteceu "procedendo de acordo com os princípios normativos em vigor" na instituição.

Para já o que se sabe é que o vídeo poderá ter sido gravado recentemente, uma vez que é feita uma referência à "época da Quaresma". Perante o silêncio dos detidos, o agente da PSP cita uma passagem da Bíblia, intitulada "Andando na luz". "Deus é luz e acreditando nele não há treva alguma", ouve-se.

"Tu podes alcançar a salvação, podes ver a luz ao fundo do túnel por muito ténue que ela seja. Se vocês todos acreditarem no Senhor, acreditarem na fé, acreditarem no vosso interior, vocês conseguem lá chegar", aconselha o polícia.

O vídeo termina com um pedido do agente aos três detidos. "Vamos dar as mãos, vamos criar uma corrente de fé. Aleluia irmãos. Nesta época da Quaresma, vocês, unidos no caminho das trevas, devem estar unidos no caminho da salvação, que Deus é grande", exclamou o polícia. "Estejam em paz e que o Senhor vos acompanhe neste momento de fraqueza", concluiu.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.