Aeroporto de Lisboa já reabriu e está em operação normal

Vários voos foram desviados na noite de sábado para Faro e Porto devido ao acidente com trem de aterragem de um avião da TAP

O aeroporto de Lisboa já reabriu, estando a operação a decorrer normalmente, dez horas depois do acidente com um avião da TAP Express que rebentou um pneu na aterragem, informou a ANA - Aeroportos de Portugal.

Segundo fonte da ANA, o aeroporto reabriu cerca das 05:00, mas esteve em operação noturna (condicionada) até às 06:00 como é habitual.

O aeroporto já está em operação normal, mas o acidente levou a que "uma série de voos fossem divergidos ontem à noite [sábado] para Faro e para o Porto", segundo a mesma fonte.

O fecho do aeroporto ocorreu na sequência de um acidente no sábado com um avião da TAP Express que, segundo a empresa, se deveu "ao rebentamento de um pneu no momento da aterragem".

A pista secundária do aeroporto de Lisboa chegou a estar aberta durante a noite para permitir operações de descolagem.

De acordo com a ANA, o acidente ocorreu às 22:35 de sábado, dentro do perímetro aeroportuário, "tendo sido acionados de imediato todos os meios internos e externos para atuação em caso de emergência".

O avião em questão, um ATR 72, efetuara o voo 1971 com origem no Porto quando sofreu o acidente já no perímetro do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Os 20 passageiros foram desembarcados, tendo saído ilesos do acidente.

O acidente está já a ser investigado pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.