Cristas soma apoios para Lisboa. António Lamas junta-se ao CDS

O ex-presidente do CCB, demitido em rutura com o governo PS, foi apoiante de António Costa na câmara municipal mas não vê em Fernando Medina o melhor sucessor

O catedrático do Instituto Superior Técnico (IST) e ex-presidente do Centro Cultural de Belém (CCB), António Lamas, vai apoiar a candidatura de Assunção Cristas à câmara de Lisboa, confirmou ao DN o porta-voz da líder centrista. Lamas saiu do CCB em rutura com o então ministro da Cultura, João Soares e vê em Cristas "qualidades muito semelhantes" a António Costa, que apoiou na candidatura à Câmara de Lisboa. "

"Agarra com grande entusiasmo as causas em que acredita, é convincente, empolgante, dialogante e mobilizadora de vontades", salientou ao DN, lembrando que "foram também parte dessas características" que viu em Costa, quando fez parte de duas comissões de honra da sua candidatura. E Fernando Medina não as tem? "Por contraste à minha resposta pode-se deduzir isso", responde, sem querer prolongar as comparações.

No próximo dia 12 de janeiro terá a sua primeira intervenção pública já como apoiante oficial da candidatura do CDS, como orador na conferência sobre Cultura, no âmbito do ciclo de encontros "Ouvir Lisboa", que tem estado a ser organizado pela equipa de Assunção Cristas, liderada por Carmona Rodrigues, ex-presidente do município e o primeiro independente a assumir o seu apoio do CDS. António Lamas também é um apoiante sem filiação partidária.

O professor do IST, jubilado no passado mês de novembro, após quase 50 anos como docente universitário, tem em comum com Assunção Cristas "o ser lisboeta e ter um enorme amor por Lisboa, pela sua cultura e património". Conheceram-se quando Cristas era ministra do Ambiente e tutelava os "Parques Sintra - Monte da Lua" e ficou daí uma "boa relação". Desde essa altura começou apreciar o "entusiasmo" da líder centrista.
Refuta leituras que enquadrem esta sua decisão num "ajuste de contas" com o PS, tendo em conta a sua demissão do CCB em forte conflito público com João Soares. "Não escondo que me chocou muito a forma como fui empurrado do CCB", reconhece, "mas já lá vai mais de um ano e isso já não me traz nenhuma preocupação. É passado e o que quero agora é ajudar no que for preciso a tratar do futuro de Lisboa, a trabalhar com a pessoa que tem as melhores capacidades para o fazer". E porque não esperou pelo candidato do PSD? "Seria ótimo que apoiasse Cristas".

Na candidatura de Assunção Cristas, o apoio de António Lamas, foi recebido com "muito agrado". O porta-voz João Gonçalves Pereira, vereador do CDS no município, acredita que o catedrático domina um "grande conhecimento sobre Lisboa, com reconhecida competência na área da Cultura". Assinala que "a candidatura de Assunção Cristas está num crescendo e esta evolução passa também pelo apoio de personalidades de maior notoriedade, como o professor António Lamas, a dar o seu apoio".

João Gonçalves Pereira afasta também leituras de desforra. "Estamos a olhar para a frente, não vamos ficar parados no passado. Entendemos este apoio como genuíno, sem qualquer sinal de ressabiamento", sublinha.

O principal motivo que levou à rutura entre João Soares e António Lamas, foi o então ministro ter extinguido a estrutura de missão para o projeto de gestão integrada Belém / Ajuda, coordenada pelo então presidente do CCB. Lamas admitiu ao DN que gostaria de ver o plano executado e pensa poder discuti-lo com Assunção Cristas. "Belém é icónico para a cidade. Talvez com Assunção seja possível repensar o projeto".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?