PAN espera que Governo honre propostas negociadas para o OE

Na ausência da porta-voz Inês Sousa Real, foi a ainda líder parlamentar Bebiana Cunha a participar na audição com Marcelo Rebelo de Sousa.

O PAN considerou, esta terça-feira, ser importante que o Governo socialista continue "disponível para o diálogo", apesar da maioria absoluta, e pediu ao executivo para honrar as propostas negociadas com o partido no âmbito do Orçamento do Estado para 2022.

No final de uma audiência com o Presidente da República, a ainda líder parlamentar do PAN, Bebiana Cunha, disse que o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa preocupações com "o facto de as maiorias absolutas poderem ser prejudiciais para a democracia".

No entanto, prosseguiu, o PAN espera que o Governo do PS continue "disponível para o diálogo e para o debate democrático".

Bebiana Cunha também lançou "um repto" ao executivo de António Costa, pedindo que "possa honrar aqueles que foram os compromissos negociados com o PAN" no âmbito da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), que acabou rejeitada na generalidade e espoletou as eleições legislativas antecipadas.

O PAN absteve-se na votação do documento e questionada sobre se o partido voltaria a fazê-lo, a dirigente do PAN disse que para isso acontecer as propostas negociadas têm de estar vertidas no documento que vai ser apresentado.

Bebiana Cunha disse ainda que o partido transmitiu ao chefe de Estado a necessidade de começar um debate sobre a alteração do sistema eleitoral português.

"Houve quase 700.000 votos que, apesar de contribuírem para as subvenções dos partidos (ou de poderem contribuir, caso os partidos tenham obtido mais de 50.000 votos), não se traduzem em mandatos parlamentares", sustentou, acrescentando que em percentagem o PAN "foi prejudicado em 70% dos votos".

Se houvesse um círculo único, completou, o PAN teria "três deputados".

"Isto traduziria melhor aquela que é a vontade dos portugueses", advogou.

A porta-voz e deputada única eleita do PAN, Inês de Sousa Real, está em isolamento porque esteve com uma pessoa infetada e, por isso, não participou na audiência com o Presidente da República.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG