Marcelo: "Desconfinamento? Temos de ganhar até à Páscoa o verão e o outono"

Presidente da República diz que seria sedutor abrir e desconfinar o mais rápido possível, a começar pelas escolas, mas remete o desconfinamento só para depois da Páscoa.

Marcelo Rebelo de Sousa falou esta quinta-feira ao país para dizer que é sedutor abrir e desconfinar o mais rápido possível, devido à redução significativa do número de infetados, mortes e do índice de transmissão, mas que tal não deverá acontecer até à Páscoa.

"Reduzimos significativamente o número de infetados e de mortes e o índice de transmissão é o mais baixo do ano. É muito tentador defender abrir e desconfinar o mais rápido possível, a começar pelas escolas. As razões já todos as conhecemos: a sociedade e economia têm sofrido e a saúde mental tem sido crescentemente abalada. Com a dupla segurança de vacinas e testes, seria mais fácil desconfinar", começou por afirmar o Presidente da República, que colocou apontou para "o outro prato na balança".

"Os números totais de internados e de internados nos cuidados intensivos ainda são elevados. Estas razões fazem-nos pensar duas vezes", sublinhou, referindo que qualquer decisão a tomar "supõe solidariedade instiuicional e estratégica entre Presidente da República e Parlamento".

"Temos de ganhar até à Páscoa o verão e o outono. Seria confuso abrir agora para fechar na Páscoa. É uma questão de prudência manter a Páscoa como marco", reiterou o chefe de Estado, que diz ter "a certeza de que, se formos sensatos, o pior já passou".

Ainda assim, Marcelo deixou um apelo ao planeamento do desconfinamento, pois "os números sobem mais rápido do que descem". "Que nunca se confunda planear com desconfinar", rematou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG