Marcelo: cancelamento de encontro por Bolsonaro "foi uma coisa muito doce"

Apesar de não se ter encontrado com o homólogo brasileiro, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a visita "correu muitíssimo bem" e revelou que não espera um telefonema de Bolsonaro antes de voltar ao Brasil - algo que deverá acontecer em setembro.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta segunda-feira que o encontro cancelado pelo seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, acabou por ser vantajoso, pelo destaque mediático que trouxe a Portugal no Brasil.

"Aquilo que podia ser um amargo de boca foi uma coisa muito doce, vista numa perspetiva de médio-longo prazo", sustentou o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas, em São Paulo, argumentando que este episódio "permitiu que se falasse de Portugal aqui ainda mais".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a presença do Presidente português no Brasil "passou a ser tema", tornou-se algo "tão coberto, tão coberto pela comunicação social brasileira" e gerou-se "uma grande simpatia em relação a Portugal".

"Portugal marcou, e foi bom, foi um bom investimento. Nós temos um princípio, os crentes dizem que Deus escreve direito por linhas tortas. E a linha tortinha deu para escrever muita coisa direita", acrescentou.

O Presidente da República, que regressa esta segunda-feira a Portugal, destacou os contactos que teve com a população brasileira: "Na rua acenavam dos carros, cumprimentavam, paravam. Eu devo dizer que nunca tive tantas selfies de brasileiros no Brasil como agora".

No seu balanço, esta visita de três dias, com passagens por Rio de Janeiro e São Paulo, "correu muitíssimo bem, e superou as expectativas".

Interrogado se estava a sugerir que não fez falta o encontro com Bolsonaro, respondeu: "Não, quer dizer, teve grandes virtualidades. Portugal ficou marcante no Brasil e abriu-se o apetite para futuros encontros. E não há nada como isso, de facto, assim um compasso de espera, para depois o abraço ser ainda maior, como o abraço que recebemos genericamente de todos os brasileiros".

Jair Bolsonaro fez saber pela comunicação social que já não iria receber o Presidente português em Brasília, decisão que justificou com o facto de Marcelo Rebelo de Sousa se ir encontrar com o antigo Presidente Lula da Silva em São Paulo. Os dois vão defrontar-se nas eleições presidenciais que estão marcadas para 2 de outubro.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que até agora não recebeu nenhuma comunicação por escrito da parte do Presidente do Brasil sobre este cancelamento, nem nenhum telefonema: "O meu telefone não tocou - ou melhor, tocou várias vezes, mas não tocou desse número".

Questionado se espera que Bolsonaro lhe telefone antes da sua próxima vinda ao Brasil, prevista para setembro, observou: "Eu sou velhinho, já vi tanta coisa na vida, que realmente esta é das mais fáceis de adivinhar".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG