Marcelo acredita que "estamos a passar à endemia"

Presidente da República afirma que os portugueses se habituaram "a viver com o fenómeno" da covid-19. Marcelo Rebelo de Sousa considerou que há melhores condições para realizar a campanha eleitoral das legislativas do que havia nas presidenciais.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou esta sexta-feira que o país estará "a passar à endemia" e que, apesar de o número de infetados com covid-19 ser elevado, é de relevar o facto de os óbitos e doentes internados em cuidados intensivos ser muito menor do que no ano passado.

"Há uma diferença importante entre esta ano e o ano anterior, que as pessoas já perceberam. Há uma multiplicação de contágios, a variante [Ómicron] contagia muito, há uma multiplicação porque há um grau de abertura [da sociedade], com o futebol, com os espetáculos, as pessoas trabalham e circulam, e isso naturalmente é diferente de uma situação de confinamento", disse Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de uma visita ao Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Conceição da Costa de Caparica, no concelho de Almada, distrito de Setúbal.

Munido de um papel com o número de contágios, internamentos, hospitalizações em cuidados intensivos e mortes do último dia de 2020 e dos primeiros dias de 2021, o chefe de Estado explicou as diferenças entre a situação que o país viveu e aquela em que se encontra.

O aumento de infeções pelo SARS-CoV-2 agora, disse, "não é acompanhado pelo número de internados, que é um terço de há um ano, e o de cuidados intensivos é um quarto", assim como o número de mortes, que no início de 2021 "foi galopando".

"Quer isto dizer o quê? Que a situação é diferente, que devemos ter, naturalmente, as precauções e o bom senso impostos pelas circunstâncias, mas que nos habituámos aos poucos a viver com este fenómeno", sustentou.

Por isso, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma avaliação do momento que o país vive: "A pandemia está aí ainda, mas já passámos à endemia".

No último dia do ano, o Presidente da República fez um balanço de mais um ano que em Portugal e em todo o mundo foi maioritariamente dominado pela pandemia, com avanços e recuos.

Já sobre desejos para o futuro e para o ano que começa no sábado, o chefe de Estado preferiu deixá-los para a habitual mensagem de Ano Novo.

Confiante em campanha eleitoral com condições apesar da pandemia

O Presidente da República considerou ainda que há melhores condições para realizar a campanha eleitoral das legislativas do que havia nas presidenciais, acrescentando que o problema dos eleitores em isolamento está a ser acautelado.

"A campanha eleitoral neste próximo ano vai ser melhor do que aquela que eu tive. A campanha que tive em janeiro era com um galope monumental do número de mortes, internados e de cuidados intensivos... Mesmo assim foi feita, mas foi, sobretudo, uma campanha de debates televisivos e radiofónicos", sustentou o chefe de Estado.

Reconhecendo que o esquema de campanha será semelhante este ano, com muito enfoque em debates, até porque a pandemia não acabou, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "há mais espaço para mais campanha", justificando a afirmação com a situação pandémica diferente que o país vive, nomeadamente a inexistência de um confinamento.

O Presidente da República também foi questionado sobre a previsão de haver quase 600 000 pessoas em isolamento em janeiro, o que poderá impedir milhares de portugueses de se deslocarem às urnas.

"No ano passado o número de portugueses que estavam em isolamento profilático era provavelmente inferior àquele que vai ser agora, depende um bocadinho dos prazos de isolamento", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Ninguém quer ter "eleições de dois em dois anos", diz Marcelo

O chefe de Estado acrescentou que "prazos mais curtos" de isolamento fazem com que haja menos isolados ao mesmo tempo, no entanto há um outro trabalho de preparação que tem de ser feito, nomeadamente na disponibilização de estruturas preparadas para impedir constrangimentos no voto.

"Exige às autarquias, que já o começaram a fazer, estruturas antecipadas, que no ano passado foi em cima da hora [...], ter sobretudo voluntários disponíveis para esse esforço. Tem de ser feito, porque a ideia é ter o maior número de portugueses a votar, devem poder votar, independentemente de estarem ou não isolados", concretizou.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que na "primeira vez foi um bocado de improviso", da segunda vez "a pressão é maior", mas também tem de haver mais organização para isso.

Sobre a possibilidade de uma solução estável sair das eleições de 30 de janeiro, o Presidente da República optou por dizer que essa decisão está nas mãos dos portugueses e que ninguém quer ter "eleições de dois em dois anos".

Notícia atualizada às 18:22

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG