Em Espinho, Catarina Martins encontrou apoio mas também raspanetes pelo chumbo do OE

"Trouxe-nos para estas eleições sem necessidade nenhuma", ouviu a líder do Bloco de Esquerda na Feira de Espinho

Catarina Martins, a "mulher rija" que "é pequenina, mas grande" voltou segunda-feira à Feira de Espinho, onde recebeu abraços, promessas de voto e desejos de boa sorte, mas também a zanga de quem não gostou de ver o orçamento chumbado.

Nas campanhas eleitorais, por mais dúvidas que haja sobre o resultado final, há sempre uma certeza: a caravana do BE estaciona à segunda-feira na Feira de Espinho, distrito de Aveiro.

Esta segunda-feira não foi diferente e, entre emoções fortes, a líder do BE falou com quem a apoia, com quem encontra sempre nesta feira, com quem vota nela e até com quem a ama - "eu amo-a, eu amo-a muito", ouviu-se de uma mulher -, mas também foi confrontada por quem estava "muito zangada" com a "menina Catarina" pela crise política em que o país mergulhou com o chumbo do orçamento.

"Trouxe-nos para estas eleições sem necessidade nenhuma. Foram vocês que não aprovaram o orçamento do estado. Podiam aprová-lo na generalidade e depois discutia-se na especialidade", atirou uma mulher, com a concordância da líder do BE de que o país não devia ter vindo para eleições.

A mulher continuou e avisou que quem vai ganhar é a abstenção e "quem vai subir é aquele traste do André Ventura", que diz não poder ver "nem pintado".

"Então vamos votar e não deixamos que isso aconteça", pediu-lhe Catarina Martins, que na resposta ouviu que não terá o voto daquela mulher zangada.

"Vote em quem quiser, mas vote à esquerda", disse-lhe a líder do BE no fim desta conversa.

Pelos corredores apertados e entre a confusão de câmaras e jornalistas, Catarina -- que nesta feira perde sempre o apelido -- recebeu muitas formulações de "boa sorte" e "viva as mulheres".

"É pequenina, mas é uma grande mulher. O meu voto você tem, de certeza", ouviu, numa banca de uma já conhecida feirante, que se despediu da comitiva com um sonoro "Catarina, Catarina, Catarina".

"Um beijinho minha querida" e "tudo de bom meu amor" e "olha a mulher rija, ou ainda "força camarada, força", foram algumas das palavras de apoio que ouviu.

À entrada, e de novo como noutras vezes ali em Espinho, estavam os lesados do BES/Novo Banco a pedir que o BE se lembre destas pessoas no parlamento - "não tem outro partido que tenha feito tanto pelos lesados desde o início", respondeu-lhe Mariana Mortágua.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG