Costa e Cabrita avisam turistas "regras têm de ser cumpridas"

"As fronteiras abriram, mas com regras e essas regras têm de ser cumpridas", alertou o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta terça-feira que a abertura de fronteiras em Portugal "tem regras que tem de ser cumpridas", considerando fundamental que os turistas que chegam ao país sejam devidamente informados.

"As fronteiras abriram, mas com regras e essas regras têm de ser cumpridas", avisou o primeiro-ministro português questionado em Paris pelos jornalistas sobre a chegada de milhares de turistas a Portugal a partir desta semana.

Para o primeiro-ministro o equilíbrio entre a abertura de fronteiras e a contenção da pandemia assenta no "cumprimento estrito das regras", com todas as entradas a serem sujeitas a testes PCR negativos, entre outras medidas.

O líder do Governo considera que é "fundamental" que os estrangeiros que chegam a Portugal também sejam informados destas regras.

"É fundamental que todos que desembarcam em Portugal saibam que têm de usar máscara na via pública, têm de manter o distanciamento físico adequado, que têm de manter as práticas de higiene das mãos", sublinhou o primeiro-ministro.

Também nas praias as regras devem ser mantidas, com o primeiro-ministro a lembrar que "a limitação da lotação, com distância obrigatória entre toalhas" se mantém nesta época balnear e que o valor das multas subiu para dissuadir quem desrespeitar as indicações sanitárias em vigor.

"Hoje estamos numa situação melhor do que aquela em que estivemos, mas só nos manteremos nessa posição se não relaxarmos as regras. Sempre que se relaxou no passado, a situação piorou", concluiu o primeiro-ministro.

Já o ministro da Administração Interna apelou esta terça-feira aos turistas que visitam Portugal para que "respeitem estritamente as regras" que estão em vigor no país para combater a covid-19, lembrando que a pandemia "ainda não acabou".

Na Assembleia da República, Eduardo Cabrita manifestou que "o principal desejo" é não existir no parlamento mais debates sobre novos períodos de estado de emergência, nem apresentação de relatórios do Governo.

"Isto ainda não acabou e é fundamental que todos os eventos, é fundamental que os turistas que temos respeitem estritamente as regras que tornam Portugal hoje um exemplo a nível europeu", disse o ministro, durante o debate no parlamento dos dois últimos relatórios do estado de emergência, entre os períodos de 1 a 15 de abril e de 16 a 30 de abril.

O governante destacou que as medidas "adequadas e exigentes" permitiram que Portugal conseguisse, há cerca de dois meses, ser o país "com menor" incidência de casos de covid-19 e de óbitos de "toda a União Europeia".

"Este resultado prova a adequação da iniciativa do Presidente da República, das decisões da Assembleia da República e das medidas difíceis e exigentes tomadas pelo Governo", precisou.

Eduardo Cabrita sublinhou que os resultados são "sobretudo um mérito de todos os portugueses pela forma como interiorizaram o cumprimento destas medidas" e do "mérito dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde que deram respostas" em tempos difíceis e que contribuíram para que, durante o mês de abril, Portugal registasse "uma significativa redução de casos e de óbitos".

"Este resultado é mérito das forças de segurança, que com determinação, coragem e empenho de forma pedagógica ou ativa estiveram presentes garantindo o cumprimento das medidas. Quer garantindo as medidas de controlo de fronteira, quer garantindo e resistindo mesmo quando durante horas foram agredidos com garrafas, pedras e sabe-se lá mais o quê", referiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG