Cirurgia de Jerónimo de Sousa decorreu "com êxito"

O PCP informa que a cirurgia de urgência do secretário-geral do partido "decorreu com êxito, tendo sido concretizados os objetivos cirúrgicos" da intervenção.

A cirurgia de urgência de Jerónimo de Sousa à carótida interna esquerda "decorreu com êxito" e o secretário-geral do PCP "já despertou da anestesia", estando agora em vigilância pós-operatória no Hospital Egas Moniz, em Lisboa, informou esta quinta-feira o partido.

Numa nota, o PCP refere que "o ato cirúrgico decorreu com êxito, tendo sido concretizados os objetivos cirúrgicos" desta intervenção.

Jerónimo de Sousa "já despertou da anestesia e iniciou o processo de vigilância clínica pós-operatória, como previsto para cirurgias desta natureza", prossegue o comunicado.

O dirigente comunista, de 74 anos, foi hoje submetido a uma cirurgia de urgência, que vai obrigar o secretário-geral do PCP a estar afastado da campanha para as eleições legislativas durante dez dias.

De acordo com um comunicado divulgado pelo partido na terça-feira, "no seguimento de exames médicos e de uma avaliação clínica multidisciplinar foi apurada a necessidade de Jerónimo de Sousa ser submetido a uma intervenção cirúrgica urgente da estenose carotídea (à carótida interna esquerda), que não pode ser adiada para depois das eleições".

Prevê-se que o secretário-geral do PCP "retome no final da próxima semana a sua intervenção política, nomeadamente na campanha eleitoral em curso para a Assembleia da República", referia a nota.

Enquanto estiver a recuperar da intervenção cirúrgica, os membros da Comissão Política do Comité Central do PCP João Ferreira e João Oliveira assumem as iniciativas eleitorais do secretário-geral, nomeadamente os restantes debates e o arranque da campanha.

Jerónimo de Sousa é o segundo secretário-geral do PCP a fazer uma operação cirúrgica, depois de Álvaro Cunhal ter sido operado a um aneurisma, ainda na antiga União Soviética, em 1989.

Em 1989, Álvaro Cunhal vai à União Soviética, então sob a liderança de Mikhail Gorbatchov, para ser operado a um aneurisma da aorta. Dois anos depois, começa a sucessão, com a escolha de Carlos Carvalhas, primeiro como secretário-geral adjunto e depois como líder.

É o quinto mandato de Jerónimo de Sousa enquanto secretário-geral do partido, o último foi renovado em 2020. É o deputado à Assembleia da República com mais anos 'de casa' e foi também eleito deputado à Assembleia Constituinte, em 1975, um ano depois da filiação no PCP.

Notícia atualizada às 14:39

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG