Aeroporto. A conversa começa a azedar entre o PS e o PSD

Socialistas não deixam passar em claro nenhuma acusação dos sociais-democratas. A tensão aumenta - e António Costa e Luís Montenegro continuam sem ter conversa marcada.

António Costa e Luís Montenegro ainda não começaram a falar sobre o novo aeroporto para Lisboa mas, por interpostos dirigentes, a conversa entre as duas partes começa a azedar. Ontem, respondendo ao eurodeputado Paulo Rangel - agora vice-presidente de Montenegro na direção do PSD -, Eurico Brilhante Dias, líder parlamentar dos socialistas, acusou os sociais-democratas de "política de terra queimada".

O líder parlamentar do PS apelou ao PSD para que separe o que é "fazer oposição ao Governo do que é fazer oposição ao país" quanto à solução aeroportuária para a região de Lisboa. No final da primeira reunião descentralizada da direção do grupo parlamentar, em Sines (Setúbal), Eurico Brilhante Dias comentou as declarações do vice-presidente do PSD Paulo Rangel, que na segunda-feira defendeu que o Governo não pode "passar a bola" aos sociais-democratas nesta matéria.

"O PSD tem de escolher o seu caminho e precisa de perceber que fazer oposição ao Governo é legítimo, é normal, o Governo precisa de uma boa oposição. Mas deve separar o que é fazer oposição ao Governo do que é fazer oposição ao país", contrapôs o líder da bancada socialista.

Segundo acrescentou, "a opção política do Governo é clara": "É envolver o maior partido da oposição para que a solução final seja perene". Quanto à história do processo, sublinhou que "não foi apenas a falta de decisão" que leva a que a região de Lisboa ainda não tenha um novo aeroporto. "Foi o facto também evidente de, quando mudou o governo, em particular quando o PSD regressou ao poder, ter alterado decisões. Neste caso, ainda não saiu da oposição, mas já alterou a sua posição sobre o aeroporto mudando de liderança"

"Há de haver oportunamente - e não demorará muito - um encontro entre o primeiro-ministro e o presidente do PSD, não especificamente para tratar deste assunto, será um encontro para todos os assuntos da agenda, esse será um deles."

Eurico Brilhante Dias considerou que "a oposição também é responsável pelo futuro do país" e deixou um "recado" para o novo presidente do PSD, Luís Montenegro. "A política de terra queimada não resolve os problemas dos portugueses e, por isso, não resolve problema de nenhum político português, nem mesmo do dr. Montenegro."

Na segunda-feira, no final da primeira reunião da Comissão Política Nacional (CPN) do PSD desde a tomada de posse de Luís Montenegro, em 3 de julho, Paulo Rangel expressou uma posição de "condenação veemente" ao primeiro-ministro por reduzir o episódio com o ministro das Infraestruturas sobre o futuro aeroporto a "um casinho", e desafiou-o a dizer se avança com a Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) antes de haver "outros progressos" sobre o tema.

Questionado sobre a posição do PSD sobre a matéria, defendeu que é o Governo "que governa há sete anos e com maioria absoluta" que tem de responder. "O Governo não pode passar a bola ao PSD, o PSD não é responsável pelos falhanços do Governo", acusou.

O primeiro vice-presidente do partido do PSD não avançou ainda uma data para o encontro entre o novo presidente social-democrata e António Costa. "Há de haver oportunamente - e não demorará muito - um encontro entre o primeiro-ministro e o presidente do PSD, não especificamente para tratar deste assunto, será um encontro para todos os assuntos da agenda, esse será um deles." Uma posição que o gabinete do primeiro-ministro acompanha.

joao.p.henriques@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG