Rui Rio dá valentes caneladas nos opositores

A festa do Pontal na versão de Rui Rio era para ser um "convívio" com as bases. Mas acabou por ser palco do maior ataque do líder aos opositores internos.

Sob um calor infernal, num local recôndito, onde nem rede de telemóvel chega, uma plateia de cerca de 500 militantes e simpatizantes ouviu Rio disparar em direção a quem o tem criticado na comunicação social. Os que servem "interesses pessoais". Nunca mencionou nenhum dos que estão do outro lado da barricada. Entre os visados estaria, muito provavelmente, o ex-coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, que o censurou por andar às "caneladas" a companheiros de partido.

Mas parece que os militantes gostam das investidas ao osso. Este sábado, Rio arrancou palmas calorosas quando avisou: "Há quem esteja a fazer isto porque quer defender um lugarzinho ou o lugarzinho de um amigo, mas comigo isso defende-se com trabalho e lealdade". A esses também disse que está para lavar e durar até final do mandato. Mostrou-se ainda convicto que o PSD pode ganhar as europeias, legislativas e regionais da Madeira. O apelo à mobilização das bases foi feito assim.

Paradoxalmente, Rio fez também neste almoço o que os críticos lhe pedem, uma oposição mais enérgica ao governo. Do Algarve engrossou a voz contra António Costa, que o tinha acusado de querer privatizar o Serviço Nacional de Saúde. Traçou um retrato negro do setor, para se assumir como "social-democrata ainda antes do 25 de Abril" e que, por isso, defende a iniciativa privada mas nunca a destruição do SNS.

Rio mostrou-se convicto que o PSD pode ganhar as europeias, legislativas e regionais dos Açores

Criticou ainda o crescimento económico feito com base no consumo, em detrimento das exportações e do investimento. O que se passou no incêndio de Monchique serviu-lhe para vaticinar uma vida difícil ao governo até às legislativas de 2019. Aos militantes pediu paciência para que vingue a estratégia de um líder diferente dos outros (ele próprio). Há tempo para os portugueses perceberem que nem tudo vai bem no país, garantiu-lhes.

Logo pela manhã, Rio já tinha dado sinais de que veio de férias pronto a enfrentar os adversários. Chegou ao campo em Vale Garrão, também em Loulé, para participar num torneio de futebol antes das 10.00 previstas e equipado a preceito. De chuteiras já gastas, número 7 inscrito na camisola, o de Cristiano Ronaldo, foi direto ao jogo político. Exigem-lhe que ande já em campanha, ele disse que não o fará. "Procurarei adiar o máximo possível", disse aos jornalistas, porque acha que o combate prematuro entre os partidos desvia o país dos problemas reais.

A ironia de Paulo Rangel

Quando entrou em campo, pouco depois, já sabia que o número 7 não o ia fazer o "melhor em campo", mas ainda conseguiu marcar dois golos no primeiro jogo. Falhou um penálti e uma lesão no joelho, que já trazia, atirou-o para o banco várias vezes. "Coitado, na rentrée e já está lesionado?", gracejou o presidente da câmara da Guarda, Álvaro Amaro, o homem a quem confiou as negociações da descentralização com o governo.

Paulo Rangel, o eurodeputado que quase, quase foi seu opositor nas diretas, assistiu às jogadas do líder de uma bancada improvisada. Com humor fino, assinalou a ironia do destino. "Esta é a reconciliação do dr. Rio com o futebol! Se Pinto da Costa sabe disto...". O passado de autarca de Rio e a "guerra" com o FC Porto a persegui-lo até no Algarve.

Nas pausas entre os jogos das quatro equipas em campo - dirigentes nacionais, membros do Conselho Estratégico Nacional, autarcas e deputados -, Rio foi chutando à baliza dos opositores internos, sempre que os jornalistas lhe pediram. E se no torneio viu a sua equipa ficar em 4.º lugar, na política joga "para primeiro". "Joguei a médio, na política jogo a ponta de lança. Aqui a idade (tem 61 anos) conta, na política é ao contrário".

Na segunda ronda do torneio, Rio ficou mais vezes no banco. Poiares Maduro, antigo ministro-adjunto de Passos Coelho, e o comissário europeu Carlos Moedas, na equipa do líder, foram os que se aguentaram melhor em campo. Morais Sarmento, vice-presidente do PSD, e o líder parlamentar social-democrata, Fernando Negrão, resistiram até ao fim. Saíram esfalfados do relvado. No torneio, Rio conseguiu gerir melhor a energia para os ataques da hora de almoço: "Ando nisto há muito tempo", disse a sorrir, à saída do campo de futebol.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.