Rio diz que parte para segunda volta "substancialmente à frente"

O candidato a presidente do PSD Rui Rio afirmou que parte "substancialmente à frente" para a segunda volta das eleições diretas no partido e que "só um fanfarrão" tem as "certezas todas" e se apresenta como vencedor.

Em Braga, à margem de um encontro com as estruturas partidárias da sua candidatura, Rio realçou que "já estão dados os argumentos todos" e que agora o importante é "mobilizar as pessoas" para irem às urnas.

Rui Rio salientou ainda que até sábado, dia da segunda volta para a eleição do presidente no PSD, o seu adversário é Luís Montenegro e depois é "obviamente" o primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa.

"Agora nem é eu dar argumentos para votarem em mim, ao fim de este tempo todos já estão dados os argumentos todos de parte a parte. O que é preciso é mobilizar as pessoas para irem votar porque as pessoas já estão cansadas, foram votar no sábado, agora outra vez", explicou.

Questionado se uma segunda volta é partir do zero para esta eleição, o ex-presidente da câmara do Porto recusou essa ideia: "Obviamente que não é partir do zero, porque significava que não existia sábado. Efetivamente eu parto substancialmente à frente, com uma vantagem muito razoável", disse.

"Isso quer dizer que ganho de certeza absoluta? Não, mas não parto do zero a zero. Só um fanfarrão é que tem as certezas todas, diz que ganha tudo, eu não sou assim", garantiu.

Sobre quem é o seu adversário Rui Rio não deixou dúvidas. "O adversário direto no sábado é o Montenegro. No sábado o Dr. António Costa não é candidato a presidente do PSD. A partir de sábado, o adversário é evidentemente o Dr. António Costa", afirmou.

Não comenta acusações de irregularidades

Rui Rio não respondeu às acusações de Luís Montenegro sobre alegadas irregularidades em Freixo de Espada à Cinta durante a primeira volta das diretas, apelando a que o debate não caia na "lama".

A candidatura de Luís Montenegro pediu ao Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) do PSD que abra imediatamente um inquérito sobre alegadas irregularidades em Freixo de Espada à Cinta na primeira volta das diretas relatadas pelo jornal 'online' Observador.

O atual presidente social-democrata não se quis pronunciar concretamente sobre o caso noticiado pelo jornal, que levou a que o seu adversário, Luís Montenegro pedisse a intervenção do Conselho de Jurisdição.

Segundo o vencedor da primeira volta, "durante esta semana obviamente que a campanha não é fácil, já se tem dois meses, é preciso ter algum estofo para fazer estes dias".

"Quando não se tem grande estofo procura-se fazer uma política de casos e isso se leva o adversário a responder (...),leva o debate à lama, rasteiro", afirmou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG