Rio avisa que só PSD pode substituir PS na governação e pede "mais verdade"

O presidente do PSD, Rui Rio, avisou esta sexta-feira que só o seu partido poderá substituir o PS na governação, e defendeu que apenas com "coragem e verdade" no discurso os sociais-democratas poderão conquistar os portugueses.

"Todos temos consciência que se for para mudar, para fazer uma política diferente, só há uma possibilidade, que é o PSD ganhar as eleições", defendeu Rui Rio, no final das jornadas parlamentares do PSD, que hoje terminam no Porto.

Num aparente 'recado' ao anterior parceiro de coligação, o CDS-PP, o presidente do PSD reforçou que "é factual" que "para o próximo Governo não ser dirigido pelo PS só há um partido com possibilidade de o substituir, não há outro".

"Poderão dizer lá fora que é preciso construir uma alternativa, mas a haver só connosco", avisou.

Num discurso de 46 minutos, Rio traçou um retrato do Portugal atual e da visão que os sociais-democratas querem para o país.

"Aquilo que nós precisamos é de melhor gestão, mais rigor, menos compadrio, mais coragem, mais reformismo, mais crescimento económico e, para embrulhar, um discurso político de coragem e de verdade", resumiu.

Perante uma sala cheia, e que o foi aplaudindo pontualmente e de pé no final, Rio avisou que "só com um discurso político de coragem e de verdade" será possível captar os portugueses para a estratégia do partido, até pelo contraponto do que disse ser o discurso de "meias verdades" do atual Governo.

O presidente do PSD identificou as três 'bandeiras' de que o Governo se tem orgulhado, mas sobre as quais, na sua opinião, não tem dito toda a verdade: criação de emprego, redução do défice público e redução da dívida pública.

"Eu diria que as meias-verdades são sempre piores que as mentiras e o Governo apresenta a metade que é verdade, mas esconde o resto", acusou.

No caso do emprego, disse, o executivo criou emprego "de baixo valor acrescentado, de fracos salários" e com muita precariedade.

"Reduziram o défice público, é verdade, mas reduziram com cativações exageradas, cegas, e muito pouco prudentes em muitas circunstâncias", criticou, acrescentando que o executivo não reduziu a dívida, mas apenas o seu rácio.

Rio reiterou o ataque à degradação dos serviços públicos e ao fraco investimento, área na qual acusou o Governo de fazer uma narrativa de "31 de boca".

"Não fizeram nada e a dada altura começaram a apresentar projetos e mais projetos para parecer que afinal as coisas estão a andar e promover aquele que eles já sabiam que ia ser candidato ao Parlamento Europeu", disse, numa referência ao ex-ministro socialista Pedro Marques,

Para "o Portugal de amanhã", o líder do PSD traçou três grandes objetivos: melhores empregos, melhores salários e melhores serviços públicos para o país.

"O ponto de partida para se conseguir tudo isto é o crescimento económico", disse.

A sete meses das legislativas, Rio deixou um aviso aos eleitores para que não se deixem seduzir pelas promessas dos socialistas.

"Aquilo que foi esta governação e continuará a ser, se amanhã fosse chamada a continuar, é uma governação de curto prazo", alertou.

Rio reiterou as suas críticas à fixação de um salário mínimo diferente para público e privado, acusando o Governo de ter "acabado com uma conquista do 25 de Abril", que era o Salário Mínimo Nacional.

O líder do PSD apontou como "um exemplo de degradação dos serviços públicos" atrasos de meses no processamento da situação dos reformados.

"Então atinjo a idade de reforma e depois fico até aos 67 ou 68 anos à espera por desregulação dos serviços de segurança social? É absolutamente impensável", criticou.

Antes de Rio, o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, aproveitou um tema que dominou o último painel das jornadas - as 'fake news' - para deixar uma crítica ao primeiro-ministro.

"As 'fake news' para António Costa já eram, já vai mais longe: António Costa já está nas 'fake good news'", afirmou, acusando o primeiro-ministro de apenas querer dar as boas notícias aos portugueses.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.