PSD já admite desistir da redução de deputados

A ideia "não está excluída". E "nem incluída". O PSD tentará na próxima legislatura rever o sistema eleitoral da AR mas já admite que ela não tem de passar por uma redução do número de deputados

Tudo em aberto, quanto ao desenho do sistema. Mas uma certeza: o PSD irá mesmo incluir no programa que levará a votos nas legislativas de outubro uma proposta de revisão do sistema eleitoral das legislativas. No princípio do verão o seu conteúdo deverá ser apresentado.

Para já, o tempo é de discutir ideias, disse o ex-líder da JSD Pedro Rodrigues, porta-voz do painel que hoje, no Europarque, em São João da Pesqueira, discutiu a reforma do sistema político, na 1ª convenção do Conselho Estratégico Nacional do PSD.

Pedro Rodrigues reconheceu que a ideia de redução do número de deputados - admitida na Constituição desde 1997, por iniciativa do PSD, que a impôs ao PS - "faz parte do património" do partido e isso "será levado em atenção". O Parlamento tem atualmente 230 deputados mas a Constituição admite que o seu número possa ser reduzido até 180.

Contudo, acrescentou que não é inevitável que desenho do sistema eleitoral que o PSD proporá a inclua obrigatoriamente. Por isso a frase: a ideia de reduzir o número de deputados "não está excluída nem está incluída" naquilo que o PSD pensa, por ora, fazer. "É preciso encarar todas as possibilidades."

O PSD, disse ainda, compromete-se com a ideia de manter a proporcionalidade do sistema - "não pode estar em causa". E apresentará uma proposta do sistema de eleição dos deputados com três objetivos: "aproximar os eleitores dos eleitos"; conferir "maior transparência aos mandatos"; e "aumentar a responsabilização dos eleitos".

Também se mantém em aberto a possibilidade de o futuro sistema ter círculos de um só deputado (uninominais), segundo acrescentou.
No painel participaram o politólogo Pedro Magalhães e o ex-líder do CDS José Ribeiro e Castro, principal dinamizador de uma petição entregue há dias no Parlamento que defende a necessidade de uma revisão do sistema eleitoral da AR que inclua círculos uninominais.

Segundo Pedro Rodrigues, discutiu-se também uma possível revisão do sistema eleitoral das autarquias, nomeadamente no sentido permitir desenhos diferentes do sistema consoante a dimensão das autarquias. Para já não está decidido se o PSD a proporá no seu programa eleitoral - ao contrário do que acontecerá com o sistema eleitoral da AR. Aqui garantidamente haverá uma proposta.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.