PSD acusa Costa de desempenhar papéis de artista de circo

David Justino, que falava na sessão de abertura da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, criticou o papel do primeiro-ministro na greve dos motoristas de matérias perigosas.

O vice-presidente do PSD David Justino considerou esta segunda-feira que o Governo montou um circo em redor da greve dos motoristas, que se mantém, com António Costa a desempenhar vários papéis.

"O doutor António Costa, o PS e o Governo, como é natural, montaram o circo por causa da greve dos camionistas. Já acabou a greve, mas o circo mantém-se, e direi que ele se mantém porque o doutor António Costa faz os papéis todos, ou seja, é o malabarista, depois sai de cena, há uns `comperes`, que no fundo falam pelo meio, e ele volta, e então vai fazer o número de contorcionista", ironizou.

David Justino, que falava na sessão de abertura da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, prosseguiu o seu discurso acusando ainda António Costa de interpretar o "número de ilusionista", em relação ao protesto dos motoristas.

"Ele volta a sair, volta a entrar e depois faz o número de ilusionista, e vou ficar por aqui porque hoje não há palhaços", disse.

"Era bom que o PS em vez de continuar a prometer para mais quatro anos pusesse a mão na consciência e respondesse por estes quatro anos que passaram, em que não fez uma reforma que se possa atribuir ou dar esse mesmo nome", acrescentou.

David Justino, que ao longo do discurso apontou vários pontos que distinguem o PSD do PS, criticou ainda a entrevista de António Costa ao Expresso, nomeadamente sobre as questões relacionadas com o programa de Governo que o PSD está a desenvolver.

"O senhor primeiro-ministro e atual candidato do PS e secretário-geral do PS, confessou na última entrevista que deu ao jornal Expresso que o programa do PSD promete tudo a todos. Ele não leu, como confessou, porque ele não estava a ler o programa do PSD, ele estava a ver-se ao espelho, claramente. Porque se há alguém neste país que andou a prometer tudo a todos foi o doutor António Costa", acusou.

Único adversário

As críticas ao PS prosseguiram numa outra fase da sua intervenção, em que David Justino afirmou que o único adversário do PSD nesta altura em que se aproximam as eleições legislativas é o PS.

"O nosso principal adversário, quer queiramos quer não é o PS, não é mais ninguém. O PS pode ter mais adversários e cada entrevista que dá arranja mais um adversário, nomeadamente se o Bloco de Esquerda não está na linha desejada, e se se quer puxar pela votação, obviamente transforma-se o Bloco de Esquerda num adversário", disse.

"Na verdade, parece que o PS está rodeado de adversários por todo o lado e, cirurgicamente, vai fazendo ataques no sentido de minimizar o papel dos adversários", acrescentou.

A tradicional iniciativa social-democrata de formação de jovens quadros assinala a sua 17.ª edição e contará também entre os participantes com o coordenador do programa eleitoral do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes, o professor universitário e antigo ministro do Desenvolvimento Regional Miguel Poiares Maduro, dois vice-presidentes do PSD, David Justino e Salvador Malheiro, e o eurodeputado do partido Paulo Rangel.

O eurodeputado espanhol e vice-presidente do Partido Popular Europeu Esteban González será o orador de um dos jantares-conferência, tal como António Vitorino, que falará sobre migrações.

O encerramento da iniciativa será feito por Rui Rio, que no sábado estará na Festa do Pontal, no Algarve, o acontecimento que este ano se realizará em Monchique e que, juntamente com a universidade de verão, marca a 'rentrée' política dos sociais-democratas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.