PS acusa BE de fazer "comparação inaceitável" entre Passos e Costa

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, acusou hoje a líder do BE, Catarina Martins, de fazer uma "comparação inaceitável" entre o primeiro-ministro, António Costa, e o antecessor, Pedro Passos Coelho, sobre sistema financeiro.

"Para o PS não é aceitável a comparação que Catarina Martins faz entre António Costa e Passos Coelho na gestão do sistema financeiro. Aliás, demonstra total falta de reconhecimento pelo empenho do PS e do atual Governo na resolução do sistema financeiro em Portugal", afirmou Ana Catarina Mendes, "número dois" da direção do PS, em declarações à agência Lusa, momentos antes de ser apresentada a lista de candidatos socialista ao Parlamento Europeu, em Marvila, Lisboa. .

A secretária-geral adjunta dos socialistas referiu depois a "herança" deixada pelo anterior Governo nos casos do Banif, "que estava em estado explosivo e teve de ser resolvido em mês e meio", assim como a resolução do Banco Espírito Santo (BES), que "criou um banco bom e um banco péssimo", repetindo a caracterização que Costa já tinha feito da resolução do BES e da criação do Novo Banco.

"Não é sério que Catarina Martins faça essa acusação e essa comparação entre António Costa e Passos Coelho".

"A venda do Novo Banco foi feita nas condições possíveis para o Estado Português. Por outro lado, se há hoje uma Caixa Geral de Depósitos robusta e a dar lucro, tal deve-se ao empenho do Governo no sentido de garantir que o banco público seja o banco de todos os portugueses, sem custos para os contribuintes", completou.

Neste contexto, a secretária-geral adjunta do PS afirmou que "não é sério que Catarina Martins faça essa acusação e essa comparação entre António Costa e Passos Coelho".

"Em períodos eleitorais não pode valer tudo. A seriedade é aquilo que mais respeitamos. Por isso, a credibilidade do Estado Português diz tanto lá fora", acrescentou.

No sábado, Catarina Martins acusou António Costa de usar os votos no PS em 2015 para fazer "sobre o sistema financeiro exatamente o mesmo que fez Passos Coelho, limpar bancos com o dinheiro de todos".

No comício comemorativo dos 20 anos do BE, que decorreu hoje em Lisboa, Catarina Martins recordou que o partido, ao longo destas duas décadas, fez "inimigos poderosos" numa elite financeira que "se incomoda" com a presença bloquista.

"Já percebemos nestes anos porque insistem em manter Carlos Costa como governador. Não é pela sua competência, mas pelas suas costas largas, que tanto jeito têm dado a PS e a PSD"

"Essa elite teve no Partido Socialista um aliado ao longo desta legislatura porque sabemos hoje que se cada voto à esquerda protegeu as pensões e os salários, também sabemos que cada voto no Partido Socialista em 2015 foi usado por António Costa para fazer sobre o sistema financeiro exatamente o mesmo que fez Passos Coelho", condenou.

Esta comparação entre o primeiro-ministro atual e o anterior prende-se com o facto de António Costa, segundo a líder bloquista, "limpar bancos com o dinheiro de todos e entregá-los limpos ao negócio de alguns".

"Já percebemos nestes anos porque insistem em manter Carlos Costa como Governador. Não é pela sua competência, mas pelas suas costas largas, que tanto jeito têm dado a PS e a PSD", criticou.

Catarina Martins voltou a comparar PS e PSD, considerando que ambos os partidos "usaram a maioria dos deputados para entregar o Banif limpo ao Santander e rejeitaram dar um futuro diferente ao Novo Banco".

"Privatizaram-no, como prometeram à Comissão Europeia, com uma garantia pública, mas sabem que essa solução não responde pela maioria do país, pela sua gente e pela sua economia", acusou.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.