Portugal no top 10 do ranking mundial das democracias

Relatório coloca o país em décimo lugar entre democracias liberais, onde não só existe um sistema político formalmente democrático como são respeitados os direitos e liberdades da população

Portugal é o 10.º classificado na lista das democracias liberais do planeta. Em causa estão os países onde além de um sistema político democrático existe também uma prática real de respeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos. Apenas Noruega, Suécia, Estónia, Suíça, Dinamarca, Costa Rica, Finlândia, Austrália e Nova Zelândia estão à frente do país.

De acordo com o jornal Público, que cita o relatório anual do projeto Variedades da Democracia (V-Dem), Portugal baixa para o 11.º lugar nas análises setoriais relativas aos indicadores eleitoral, de liberdades e de igualdade social, e fica no 38.º lugar em termos de participação eleitoral.

O projeto, lançado em 2010, analisa dados de 201 países. Os resultados são obtidos através de inquéritos a mais de cinco mil pessoas de todo o mundo, entre investigadores e peritos, estando a coordenação a cargo da Universidade de Gotemburgo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.