Portugal e Alemanha assinam acordo bilateral para melhor convergência de interesses

Os dois países pretendem reforçar a cooperação bilateral em diversas áreas como "o desenvolvimento em África, a transição energética, a política industrial e as migrações", conforme é expresso no documento a que o DN teve acesso.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, e alemão, Heiko Maas, assinaram na quarta-feira, em Berlim, um plano de ação para reforçar a cooperação bilateral e a convergência de interesses.

O futuro da União Económica e Monetária, a cooperação em energias renováveis, as migrações, a cooperação ao nível da segurança, a digitalização e mercado de trabalho, a igualdade de género e igualdade, o clima e o ambiente, bem como a mobilidade e transporte são as áreas que os dois países pretende reforçar, de acordo com o documento que o DN teve acesso. "Uma primeira avaliação das atividades deverá ser efetuada até ao final do ano de 2019", lê-se no plano de ação para reforçar a cooperação bilateral entre os dois governos.

"É muito importante. O que nos fizemos é dar mais um passo para o estreitamento, e sobretudo, para a organização do nosso relacionamento bilateral", sublinhou Augusto Santos Silva, em declarações à Lusa.

"O compromisso é que agora nós tenhamos um plano detalhado de cooperação bilateral ao nível dos ministérios dos Negócios Estrangeiros, mas também ao nível dos diferentes ministérios setoriais, em áreas em que o interesse de Portugal e da Alemanha é convergente", acrescentou.

"A cooperação para o desenvolvimento em África, a transição energética, a política industrial, e as migrações. Em qualquer uma destas áreas, e eu podia citar mais, os interesses da Alemanha e de Portugal são convergentes e as orientações dos dois países também. Trata-se de aproveitar esse facto para tornar mais eficaz, mais frutífera, a nossa cooperação bilateral", frisou à Lusa o ministro português.

Santos Silva participou na quarta-feira, em Berlim, numa reunião de trabalho com os homólogos alemão, Heiko Maas, e esloveno, Miro Cerar, no âmbito da preparação do programa do designado Trio de Presidências da União Europeia, que os três países assumem entre julho de 2020 e dezembro de 2021.

Numa conferência conjunta, os ministros dos três países revelaram estar a trabalhar no conjunto de matérias que serão prioritárias na composição do Programa do Trio de Presidências da EU, sublinhando Heiko Maas, que está lançada uma "base boa para a cooperação".

África e o relacionamento com a América Latina são prioridades para Portugal

À Lusa, Santos Silva deu alguns exemplos dos temas prioritários dos três países que já foram abordados nesta "primeira ronda de contactos".

"Quando olhamos para a política externa da União Europeia, Portugal tem uma prioridade clara, que é a África [...] tal como o relacionamento com a América Latina. Ao passo que os alemães têm interesse, sobretudo, em organizar os contactos entre a União Europeia e a China e os eslovenos consideram como prioridade o largamento, designadamente nos países balcânicos", especificou.

"É este tipo de encaixe que vamos tentando fazer, com o tempo necessário para que ele possa conduzir os nossos próprios trabalhos nacionais de preparação das presidências", concluiu o ministro português com a pasta dos Negócios Estrangeiros.

A Alemanha assume a Presidência da UE em julho de 2020, seguindo-se a Presidência Portuguesa, de janeiro a julho de 2021, e, no final, a Eslovena, que assegurará a Presidência da União entre julho e dezembro de 2021.

Exclusivos