PCP quer Parlamento a condenar "museu Salazar"

Comunistas entregaram voto de condenação sobre intenção da Câmara de Santa Comba Dão em instalar no município um Centro de Interpretação do Estado Novo. A votação decorre na reunião da Comissão Permanente no dia 11.

O PCP quer que o Parlamento condene "firmemente a criação de um "museu" dedicado à memória do ditador Oliveira Salazar em Santa Comba Dão, independentemente da sua designação", apontando que a instalação do Centro de Interpretação do Estado Novo é "uma afronta à democracia, aos valores democráticos consagrados na Constituição da República e uma ofensa à memória das vítimas da ditadura.

O voto de condenação elaborado pelo grupo parlamentar comunista já deu entrada para ser discutido esta quarta-feira na reunião da Comissão Permanente da Assembleia da República - o órgão que funciona fora do período de funcionamento efetivo do Parlamento.

Para o PCP, não há lugar a qualquer condescendência com o projeto, apesar da autarquia local e dos coordenadores científicos recusarem que este seja um "mausoléu de Salazar", conforme foi reiterado numa apresentação da iniciativa, no passado dia 4 de setembro.

No texto distribuído esta terça-feira, no final da conferência de líderes parlamentares, que reuniu pela primeira vez desde as férias de verão, a bancada comunista é taxativa na recusa do espaço: "Ainda que autodenominado de "centro interpretativo" e criado sob pretexto de um projeto académico, mas com um espólio baseado em objetos pessoais do ditador, tal instalação, desprovida de elementos de denúncia real da natureza fascista que durante quase meio século oprimiu o povo português, liquidou as mais elementares liberdades, condenou o nosso país ao atraso e à miséria, reprimiu, torturou e assassinou, mais não seria, a ser concretizada, do que um local de romaria de antigos saudosistas da ditadura e de novos apoiantes de uma extrema-direita que se pretende assumir cada vez mais como ameaça à democracia."

Os coordenadores do projeto, do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra, recusam que seja algo assim que irá ser instalado na antiga Escola-Cantina Salazar: "Quem for ao Centro de Interpretação do Estado Novo numa perspetiva de apologia do Estado Novo, diria eu que vai sentir-se, mais do que desiludido, incomodado, porque, normalmente, pessoas que têm essa visão não gostam de um discurso historiográfico sobre o Estado Novo", explicou-se João Paulo Avelãs Nunes, tendo reiterado ao DN: "Não será um mausoléu."

No seu voto de condenação, que será votado amanhã, o PCP deixa um apelo "aos promotores da criação de tal "museu" para que reconsiderem a sua posição e a todas as entidades, públicas e privadas, para que não apoiem, direta ou indiretamente, essa iniciativa".

Os comunistas recordam que "nos últimos dias têm-se sucedido as manifestações de repúdio de inúmeros democratas perante a iniciativa da criação do "museu" dedicado a Salazar", nomeadamente "mais de duzentos antigos presos políticos e apoiada por um abaixo-assinado subscrito por mais de 16 000 cidadãos".

Na reunião da Comissão Permanente amanhã serão votados outros dois votos (já entrados) de pesar pelas mortes do jurista Jorge Leite, apresentado pelo BE e PS, e do advogado e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, André Gonçalves Pereira, entregue pelo PSD.

Haverá ainda tempo para declarações políticas de cada bancada, de cinco minutos, sem direito a perguntas dos outros grupos parlamentares, e para a leitura da mensagem do Presidente da República do veto à proposta de tratamento de dados dos tribunais e do Ministério Público.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?