PCP garante mais 10 euros nas pensões, luz mais barata e manuais grátis até ao 12.º

Em conversa com os jornalistas no Parlamento, João Oliveira explicou que o PCP chegou a acordo com o governo em três medidas para aliviar a carteira das famílias.

A pouco mais de três dias de ser apresentado o Orçamento do Estado para 2019, o PCP anuncia três vitórias que prometem melhorar a vida das famílias. Segundo explicou João Oliveira aos jornalistas no Parlamento, são medidas que farão a diferença no bolso dos portugueses a três níveis, incluindo benefícios para os mais velhos e para quem tem filhos em idade escolar.

O primeiro acordo fechado entre governo e PCP passa por um aumento de dez euros para as pensões e com efeitos já a partir de janeiro. Recorde-se que os aumentos negociados para as reformas nos dois últimos Orçamentos do Estado apenas produziram efeitos depois de metade do ano, nas prestações pagas em agosto. Desta vez, segundo avança o deputado comunista, a subida entra já no pagamento do primeiro mês de 2019.

Desta forma, fica garantida uma subida de pelo menos dez euros mensais em todas as reformas mesmo quando a subida automática por efeitos da inflação não garanta esse aumento. Uma vez que, de acordo com as previsões de Mário Centeno, a economia vai voltar a crescer acima de 2% (o governo aponta para 2,2%), os pensionistas que recebem até cerca de 850 euros terão aumentos acima da inflação logo no início do ano.

A segunda medida para que o PCP e o governo já fecharam acordo respeita à fatura da luz para as famílias. O Bloco tinha adiantado que essa garantia estava dada e que a redução seria feita via descida do imposto da eletricidade, mas o primeiro-ministro, em entrevista há dias, negou-o. Aquando do programa de assistência da troika a Portugal, o IVA da eletricidade subiu de 6% para 23%. E nunca mais desceu. Catarina Martins chegou a avançar que tinha garantias do governo de que esse passo seria dado agora, a dúvida era se seria para a taxa intermédia (13%) ou se regressava à mínima. O que António costa negou, ainda que voltasse a garantir que haveria uma baixa na fatura da luz para as famílias, sem adiantar como.

Agora, é João Oliveira quem o esclarece: haverá um corte no imposto, sim, mas na componente fixa da fatura. Ou seja, deverá descer o imposto que incide sobre o aluguer do contador e a potência contratada -- não aquele que incide sobre os consumos. Além disso, a fatura de energia das famílias deverá ainda ser cortada por via de poupanças no défice tarifário, adianta o deputado comunista.

Por último, o PCP terá conseguido chegar a acordo com o governo para assegurar os manuais escolares gratuitos chegam ao 12.º ano. Uma ambição antiga dos comunistas e que António Costa tem vindo a implementar faseadamente (chegam neste momento ao 6.º ano). A partir do próximo ano letivo, essa benesse -- que os alunos de Lisboa, por exemplo, já têm via Câmara Municipal -- será alargada a todos os anos do ensino obrigatório.

Até à apresentação do Orçamento do Estado para 2019, porém, ainda falta definir muita coisa e o mais provável, conforme o DN escreveu, é que o documento chegue ao Parlamento, na segunda-feira, com muitos assuntos por fechar.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.