Marcelo afirma que Passos Coelho merece condecoração, só que "entende que é cedo"

Presidente da República confirmou notícias de que Belém sondara o ex-primeiro-ministro sobre a possibilidade de este receber uma distinção.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou nesta segunda-feira que Pedro Passos Coelho merece ser condecorado pelo serviço ao país como primeiro-ministro, mas declarou respeitar o seu entendimento de que "é cedo" para esse reconhecimento.

Em resposta aos jornalistas, à saída de uma conferência na Universidade Autónoma de Lisboa, o Chefe do Estado confirmou a notícia do jornal Expresso de que mandou sondar Passos Coelho "há cerca de um ano, quando ele saiu das funções de líder do partido [PSD], sobre a hipótese de vir a receber, como os antigos primeiros-ministros, a Grã-Cruz da Ordem de Cristo", e que este recusou.

Segundo o Presidente da República, "de uma forma, aliás, muito amável", o anterior primeiro-ministro "disse que entendia que era cedo, no seu percurso, esse reconhecimento nacional".

"Eu acho que era merecida [a condecoração], merecida em valor absoluto e merecida em valor relativo, em atenção a uma prática tradicional. Mas se o próprio entende que é cedo, há que respeitar essa razão", considerou.

Interrogado se espera ainda condecorar Pedro Passos Coelho durante o seu mandato presidencial, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Isso aí era eu estar a pronunciar-me sobre a intervenção política de alguém que depende em primeira linha dele. Portanto, não me vou pronunciar. Cabe ao próprio, um dia mais tarde, verificar se, sim ou não, estão preenchidas as condições para não ser cedo a condecoração."

"Agora vamos deixar o fluir dos acontecimentos na vida nacional e na intervenção do doutor Pedro Passos Coelho", sugeriu, perante a insistência dos jornalistas sobre se pensa ou não voltar a sondar o ex-presidente do PSD.

O jornal Expresso noticiou no sábado que o anterior primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, "foi sondado pela Presidência da República para ser condecorado por Marcelo Rebelo de Sousa, mas recusou".

Nesta segunda-feira, em resposta aos jornalistas, o Presidente da República afirmou ter ficado "persuadido por essa posição" de Passos Coelho, "o ser cedo ainda esse reconhecimento, que existiu para os demais primeiros-ministros, com uma exceção".

"Portanto, acabou por não haver a condecoração", referiu.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.