Os comunistas encheram o Chiado, os socialistas nem por isso

PS almoçou na Trindade e depois fez a sua habitual descida, sem o fulgor de outros tempos, mas com confetis e um Costa a levar ao colo o seu candidato. Ao fim da tarde, o PCP encheu a Rua do Carmo, ganhando em gente o que faltou em animação.

"Muito boa tarde, senhoras e senhores", canta a fadista no palco do PS, montado junto à Câmara de Lisboa. Às 19.25 - o comício estava marcado para as 19.00 - e metade das cadeiras estão por ocupar. Há socialistas em volta, no quiosque, à espera que arranque aquele que será o último momento de uma campanha que, no último dia, começou em Moscavide, seguiu para o tradicional almoço na cervejaria Trindade e continuou com a descida do Chiado, até ao Rossio e daí até à Praça do Comércio.

O PS fez uma pausa técnica entre a sua arruada e este comício - e houve quem desmobilizasse. Pelo meio, aproveita a CDU, seus parceiros parlamentares, que desce também ela o Chiado, do largo do poeta, até ao fim da Rua do Carmo, onde um microfone faz as vezes do palco. Para cima, uma multidão preenche a rua - de bandeiras e de aplausos. "Já é a maior arruada desta campanha", diz João Ferreira. "Esta arruada é uma constatação que esta campanha está em crescendo.

Talvez não saiba o cabeça-de-lista comunista que, hora e meia antes, a descida do Chiado dos socialistas tinha metade das pessoas.João Ferreira e Jerónimo de Sousa, hirtos, na frente de um desfile ordenado e de palavras de ordem conhecidas, perdem apenas na animação.

Pedro Marques e António Costa fazem desviar a "caixa" de jornalistas, seguranças e jotas onde vão enfiados, e vão ter com pessoas, cumprimentam-nas, tiram uma ou outra selfie, acenam, mesmo que só para as fotos, há confetis disparados de canhões, que pintam o Chiado de rosa e branco. Os mesmos papelinhos que Jerónimo e Ferreira pisarão depois.

Por uma vez, os turistas estão em minoria, não perdendo a oportunidade de fotografar e filmar este estranho ritual de bandeiras, banda de sopros e palavras. A política está na rua, há eleições no domingo. Uma mulher, nos seus 60, alemã, divertida com o que vê, ensaia a sua palavra de ordem: "Pê-é", escapa-se-lhe o "s", "o pueblo unido jamás será vencido", e a língua também não é bem a certa.

Isabel vende fruta, "de segunda a sexta", em pleno Largo do Chiado, morangos, uvas, framboesas, e a água fresquinha, não está contente com as duas caravanas de passagem. Os socialistas estiveram por ali uma hora, que o atraso ao almoço a isso obrigou; e os comunistas também se demoram a sair. Estraga o negócio. "Não é bom", tapam-lhe o carro, vende menos. "E a dor de cabeça", com a confusão e o barulho que não para.

A música é uma constante numa e noutra arruada: os socialistas têm uma banda de metais, os comunistas somam-lhe a percussão. Na arruada do PS ouve-se Bella Ciao, que os socialistas europeus fizeram seu hino nesta campanha, mas na CDU também se ouvirá essa canção da resistência antifascista italiana. Uma canção a unir a geringonça. E na descida dos socialistas, há tempo para a ironia: Eu tenho dois amores, toca-se nos trompetes e saxofones, a canção de Marco Paulo que o candidato do PSD Paulo Rangel atirou como crítica ao PS, por namorarem socialistas e liberais.

Costa repete que sim, que há "matéria que sempre distinguiu a esquerda" é a Europa. Costa é o guia, arrasta Pedro Marques para cumprimentar este e aquele, mas também o velhote, de bandeira na mão, que se lhe queixa: "Sou um homem que andou na guerra, com uma reforma de 300 e poucos euros." Mas logo muda o queixume, para um elogio que soa sincero, enquanto mostra o seu passe social. "Olhe, uma coisa boa, isto, já não fico em casa, já posso sair." E vir ao Chiado. Pedro Marques concorda com ele. Mas a caravana segue.

Ao encontro de Jerónimo e João saem também duas velhotas, de cravos na mão, um ramo para cada um. Sorrisos tímidos e um abraço selam a entrega, mas os dois comunistas não seguem de cravos na mão. Vão hirtos e seguros nas palavras de ordem, "a CDU avança com toda a confiança", e vão rápidos, que obrigam os militantes que coordenam a marcha a pedir para abrandarem. Só não abrandam na convicção. Uma hora depois, está fechada a arruada e terminados os discursos, com apelos iguais para combater a abstenção.

Deixada a CDU, junto ao Rossio, e a caminho da Praça do Município, há um novo ajuntamento de bandeiras nas escadas de Santa Justa, quem sobe para a Rua do Carmo. É a Aliança, de Pedro Santana Lopes, algumas dezenas de apoiantes e o som da comunista Carvalhesa de fundo.

Em esforço, depois do acidente sofrido na primeira semana de campanha, o líder do partido, apela de megafone em punho ao voto em Paulo Sande, ali ao lado. E depois de recordar "o voo" que foi o acidente, conclui: "Graças a Deus, ainda aqui estamos." Com esta mobilização, não haverá milagres.

Pelas 20.10, a Praça do Município tem as cadeiras cheias para o comício do PS, a tempo dos últimos telejornais, antes do dia de reflexão, que omite toda a informação sobre esta campanha. "Todos os votos contam" - repetem socialistas e comunistas. Domingo contam-se os votos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.