ONU condecora paraquedistas portugueses na República Centro-Africana

Os 156 militares portugueses destacados na República Centro-Africana (RCA) foram condecorados com a medalha das Nações Unidas, informou esta sexta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Este terceiro contingente de capacetes azuis portugueses é formado por 153 militares do Exército - dos quais 123 paraquedistas - e três da Força Aérea, que terminam a sua missão no início de setembro, adiantou o EMGFA.

A cerimónia decorreu quinta-feira no quartel-general dos militares portugueses, Camp M´Poko, e foi presidida pelo representante especial do secretário-geral da ONU, António Guterres, na RCA.

Na sua intervenção, o embaixador Parfait Onanga-Anyanga destacou "os momentos determinantes em que a Força de Reação Rápida portuguesa marcou a diferença, contribuindo significativamente para o sucesso da missão" das Nações Unidas, "em particular na proteção da população local indefesa".

Presentes na cerimónia estiveram ainda, entre outros, o comandante operacional da ONU, tenente-general senegalês Bala Keitá, e o comandante da Missão de Treino da UE na RCA, brigadeiro-general português Hermínio Maio.

O quarto contingente que inicia funções em setembro é constituído por 179 militares sob o comando do tenente-coronel paraquedista Verdelho Fontoura.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.