Morreu o general José Lemos Ferreira

Ex-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) tinha 90 anos

O ex-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) general José Lemos Ferreira morreu aos 90 anos, disse à Lusa uma fonte militar.

Chefe do Estado-Maior da Força Aérea de 1977 a 1984, foi também CEMGFA durante cinco anos, entre 1984 e 1989.

José Lemos Ferreira nasceu em Portalegre, em 23 de junho de 1929.

Entrou para o curso de aeronáutica em 1948, frequentou um curso de piloto nos Estados Unidos e desempenhou funções nas bases aéreas de Monte Real e do Montijo. Foi mobilizado para a então chamada Índia Portuguesa, em 1960, e uma década depois estava na Guiné-Bissau, em 1971, já durante a guerra colonial.

No dia do golpe de estado do 25 de Abril de 1974 Lemos Ferreira era chefe de repartição do Estado-Maior da Força Aérea e em 1975 é nomeado subchefe do Estado-Maior da Força Aérea para o Pessoal.

No 25 de Novembro, movimento militar que pôs fim ao período revolucionário, esteve da Região Militar Norte, do lado dos "moderados", com outro militar, Pires Veloso, numa altura em que vários líderes políticos, como Mário Soares, optaram por deslocar-se para o Porto.

Em novembro de 1989, com o fim da sua carreira militar, foi presidente do Conselho de Gerência na Aeroportos e Navegação Aérea (ANA).

Marcelo recorda "notável personalidade"

O Presidente da República lamentou a morte do general Lemos Ferreira, ex-chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), que lembrou como "uma notável personalidade da vida militar portuguesa".

Numa nota publicada do "site" da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa recordou o general pela sua "forte liderança" e "uma firme postura institucional e carismática", além de "uma visão inovadora e corajosa".

José Lemos Ferreira "moldou a Força Aérea do século XXI, criando e edificando uma verdadeira revolução na instituição, engrandecendo-a e adaptando-a aos novos desafios", lê-se na nota.

O Chefe do Estado, que é, por inerência, comandante supremo das Forças Armadas, assinalou ainda que o ex-CEMGFA "foi várias vezes agraciado pelo Estado português", nomeadamente com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis e com a Medalha de Prata de Valor Militar com Palma" e ainda com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada do Valor, Lealdade e Mérito, pelo Presidente da República Mário Soares, em 1989.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG