Ministro substitui chefe da Força Aérea dentro de um mês

General Manuel Rolo cessa funções dentro de um mês, cumprindo apenas um mandato à frente da Força Aérea.

O ministro da Defesa informou esta sexta-feira o general Manuel Rolo que não será reconduzido como chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) quando terminar o seu mandato, soube o DN.

João Gomes Cravinho recebeu esta manhã o general Manuel Rolo, a um mês do final do seu mandato como CEMFA, transmitindo-lhe a decisão de o substituir a partir de 24 de fevereiro deste ano.

O mandato do general piloto-aviador Manuel Rolo foi dominado pelo processo de adaptação da base aérea do Montijo (BA6) no chamado aeroporto complementar de Lisboa, obrigando a alterações profundas no seu dispositivo devido à mudança da quase totalidade das esquadras de voo ali existentes para outras bases.

Um aspeto crítico desse processo para a Força Aérea era o futuro do Campo de Tiro de Alcochete (CTA), que o ramo entendia dever ser equacionado desde o início da adaptação da BA6 devido aos fortes condicionalismos que entende serem impostos à atividade de treino naquela unidade por causa dos limites verticais de voo propostas para aquela zona - mas não foi aceite pela tutela.

Esse limite sobre o CTA "é de tal forma reduzido que inviabiliza o seu uso para a qualificação e proficiência das tripulações" que ali treinam tiro ar-solo, disse Manuel Rolo aos deputados da Comissão parlamentar de Defesa, soube o DN.

Segundo as fontes do DN, João Gomes Cravinho começa segunda-feira a ouvir os tenentes-generais da Força Aérea para propor um nome ao Presidente da República, a quem cabe nomear e exonerar os chefes militares.

"Sempre que possível, deve o Governo iniciar o processo de nomeação dos Chefes de Estado-Maior dos ramos pelo menos um mês antes da vacatura do cargo, por forma a permitir neste momento a substituição imediata do respetivo titular", diz a Lei Orgânica de Bases da Organização das Forças Armadas (LOBOFA).

Os potenciais candidatos à sucessão do general piloto-aviador Manuel Rolo como CEMFA são os seis tenentes-generais no ativo e que ocupam os cargos de comandante operacional dos Açores (COA), vice-CEMFA, adjunto do CEMGFA e os comandantes operacional, da Logística e de Pessoal.

Os tenentes-generais pilotos-aviadores em causa são: Amândio Miranda (COA), Sílvio Sampaio (vice-CEMFA), Joaquim Almeida (Adjunto do CEMGFA), Joaquim Borrego (comandante aéreo), José da Mata (comandante logístico) e Rafael Martins (comandante de Pessoal).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.