Marcelo em Luanda: "Quem faz história todos os dias são os angolanos e os portugueses"

Estão trocados "os irritantes" pelos "importantes do futuro". Esta foi a primeira mensagem deixada por Marcelo Rebelo de Sousa, minutos depois de ter pisado solo angolano, onde fez questão de quebrar o protocolo e ir assistir aos desfiles de Carnaval, em Luanda.

O Presidente português promete ser ele próprio nestes quatro dias de visita oficial a Angola. Contando com a pontualidade do voo realizado num Falcon da Força Aérea Portuguesa que o levou de Portugal até Angola, com escalas em Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, Marcelo Rebelo de Sousa chegou de sorriso rasgado, bem-disposto e de aperto de mão convicto ao ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, que o recebeu em plena pista do Aeroporto 4 de Fevereiro, na capital angolana, e ao governador da província de Luanda, Sérgio Luther Rescova.

Após o cumprimento das alas militares de cortesia, o ambiente de descontração permaneceu e foi neste registo que Rebelo de Sousa se dirigiu, pela primeira vez, aos jornalistas, numa espécie de declaração de intenções para a sua estada até ao próximo sábado, dia 9, em Angola. "Regresso a Angola com uma confiança baseada nos passos dados", indicou, esclarecendo que nos últimos meses no plano político e diplomático "são muito sólidos, são muito firmes, são muito concretos e que permitem apontar para o futuro com essa confiança".

Apesar desta intenção de apontar o futuro como o ponto fulcral das relações entre Portugal e Angola, o caso provocado pelos incidentes no bairro da Jamaica, no Seixal, no final do mês de janeiro, marcou grande parte das intervenções dos jornalistas, a que Marcelo Rebelo de Sousa respondeu com determinação no sentido da sua desvalorização, chamando-lhe, inclusive, "insignificantes do presente".

O que neste momento é significativo não são os irritantes do passado nem os insignificantes do presente.

"Verdadeiramente, o que neste momento é significativo não são os irritantes do passado nem os insignificantes do presente, são os importantes do futuro", contrapôs. Fazendo questão de estabelecer um critério que gostaria de ver aplicado aos presidentes dos dois Estados: "A diferença entre um político e um estadista é que o político prende-se aos irritantes e aos insignificantes e o estadista olha para os importantes."

E nestes "importantes" o Presidente de Portugal coloca os angolanos e os portugueses no topo das prioridades: "E os importantes do futuro são as questões concretas da vida das angolanas e dos angolanos, das portuguesas e dos portugueses, desse somatório de entre 200 mil a 300 mil que vivem cruzados nos dois territórios e que têm problemas concretos."

Aliás, Rebelo de Sousa, quando instado a concordar sobre o facto de a sua visita a Angola ser histórica, respondeu que "quem faz história todos os dias são os angolanos e os portugueses". E considerou que cabe aos responsáveis dos dois Estados contribuírem para a melhoria de vida dos seus povos.

É nesta linha que, ao longo dos próximos dias, serão estabelecidos e reforçados novos protocolos de cooperação. Serão cerca de 50 acordos que estão em andamento e que têm resultados efetivos em termos financeiros para os empresários portugueses e angolanos, para além de uma cooperação em formação dos professores, em matéria de saúde, em domínios que vão desde administração interna a justiça.

Gostaríamos de ver maior presença do empresariado português na agricultura, nas várias indústrias, na indústria transformadora e no turismo.

Dias antes, também o presidente de Angola, João Lourenço, em entrevista à RTP, sustentou que "gostaríamos de ver maior presença do empresariado português na agricultura, nas várias indústrias, na indústria transformadora e no turismo".

E para que os novos negócios possam concretizar-se é necessário que a certificação e o pagamento das dívidas de Angola às empresas portuguesas sejam efetivados. Recorde-se que este foi um aspeto que bastante contribuiu para a saída de muitos empresários de solo angolano. Marcelo Rebelo de Sousa logo à chegada garantiu que se está "a trabalhar a todo o vapor" e que recebe "notícias dia a dia, em catadupas", sobre esta matéria.

Interrogado sobre o ponto da situação da certificação e pagamento das dívidas de Angola às empresas portuguesas, o chefe do Estado respondeu: "Vão ver amanhã [quarta-feira] e nos próximos dias como continua a trabalhar-se no sentido de ir o mais longe possível, é um processo que não para." Referindo-se aos embaixadores nos dois países, ali presentes, afirmou: "Eles sabem e eu sei, porque ia recebendo notícias dia a dia, em catadupas, não imaginam, em catadupas - não havia capacidade de leitura que conseguisse abarcar tanta realidade - do esforço que ia sendo feito a todos os níveis, departamentos ministeriais, governos províncias, entidades autónomas, instituições públicas que não o Estado clássico."

Palavras estas que foram ao encontro das do presidente angolano que nesta segunda-feira vincou que "o montante da dívida varia consoante os momentos. Desde a minha visita a Portugal até aos dias de hoje temos vindo, gradualmente, a reduzir esse valor. Nos próximos dias vamos fazer mais um pequeno esforço no sentido reduzir ainda mais esse valor. O importante é que toda a dívida é para ser paga desde que o devedor reconheça que deve e Angola reconhece que deve. Ao nível das equipas ministeriais tem havido um trabalho, quase permanente, no sentido do reconhecimento da dívida".

Assim, as primeiras horas de Marcelo Rebelo de Sousa já levam muito que contar.

Depois destas declarações político-diplomáticas, o Presidente português mostrou o seu lado mais afetuoso para com as pessoas, mas também o mais difícil de gerir para quem está na retaguarda.

Quando saiu do Aeroporto 4 de Fevereiro, Marcelo tinha como objetivo chegar ao hotel para depois seguir para o jantar comemorativo dos 65 anos de João Lourenço. Não foi isso que aconteceu.

Passando perto da Nova Marginal de Luanda, onde decorriam os desfiles de Carnaval, o presidente parou a caravana e, momentos depois, já estava sentado na tribuna oficial junto ao vice-presidente da República, Bornito de Sousa, que ali se encontrava em representação do chefe do Estado angolano, governantes e convidados, e acompanhou o desempenho dos grupos Etu Mudietu e Juventude do Kapalanga.

Hoje, quarta-feira, o Presidente português começa oficialmente a visita que será dividida entre a capital angolana e as províncias de Benguela e Huíla.

O programa de hoje arranca de manhã, com a deposição de uma coroa de flores no Memorial Agostinho Neto e um encontro com João Lourenço no Palácio Presidencial, onde haverá igualmente conversações ministeriais, seguido de uma conferência de imprensa conjunta.

Fernanda Mira é jornalista da Plataformamedia

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.