Manuel Pinho não chegou a ser ouvido no DCIAP

Audição no DCIAP foi adiada. Ex-ministro da Economia falará esta tarde no Parlamento.

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho saiu das instalações do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em Lisboa, às 11:16, sozinho, tendo feito apenas a seguinte declaração: "Eu sei o que queria dizer, mas não vou dizer. O Sá Fernandes depois explica-vos."

Pouco depois, o advogado explicaria que houve "razões processuais" que levaram a que a sessão fosse adiada, segundo relata o Observador. Aguarda-se um comunicado do Ministério Público explicando a situação. "Como é sabido, o senhor juiz de instrução anulou o ato de constituição do Dr. Manuel Pinho como arguido. Portanto, o dr. Manuel Pinho não é, neste momento, arguido neste processo. Esse é um dado inquestionável", esclareceu o advogado.

Manuel Pinho tinha chegado às 10:32, meia hora depois do previsto, ao DCIAP para ser interrogado, acompanhado pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes. Aí, deveria ter sido pelo procurador Hugo Neto onde deveria ter sido ouvido no âmbito do caso EDP. Em causa estarão suspeitas vindas a público de que Manuel Pinho teria recebido pagamentos através do saco azul do BES numa sociedade offshore.

Na segunda-feira, em declarações à Lusa, Ricardo Sá Fernandes disse que este interrogatório foi marcado "de supetão" e que se ia encontrar nesse dia com o seu cliente, acabado de chegar do estrangeiro.

Em maio, em comunicado, o advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, revelou que o ex-ministro, que deixou de ser arguido no caso EDP, estaria disposto a prestar "todos os esclarecimentos" aos deputados, mas só depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

Hoje, às 15:00, está agendada uma audição parlamentar com Manuel Pinho, na sequência de um requerimento do PSD.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.