Livre com Bernie Sanders, Haddad e Varoufakis em encontro de esquerdas contra "autoritarismo"

Rui Tavares participa em encontros nos Estados Unidos, promovidos pelo candidato presidencial derrotado por Donald Trump nas urnas. Objetivo é organizar combate "global" à "ascensão do autoritarismo"

"Isto é mais do que um encontro. É um fervilhar de ideias, de propostas de várias origens geográficas, dentro da esquerda, que têm como objetivo construir uma alternativa ao neoliberalismo e derrotar esta ascensão da extrema-direita nacionalista". É desta forma que Rui Tavares, do Partido Livre, descreve as reuniões que decorrem até domingo em Burlington (Estado do Vermont) e Nova Iorque, nos Estados Unidos. Reuniões onde marcarão presença personalidades como Bernie Sanders, derrotado por Donald Trump nas últimas presidenciais norte-americanas, Fernando Haddad, que teve o mesmo destino face a Jaír Bolsonaro nas recentes eleições brasileiras, ou Yanis Varoufakis, o ex- ministro das Finanças grego que, em 2015, no pico da crise económica, ficou célebre pela resistência feroz às determinações da troika para o seu país.

O Livre não só participa destes encontros como contribuiu para a sua organização, nomeadamente "fazendo contactos" para trazer ao evento o candidato derrotado das eleições brasileiras.

Rui Tavares e Eduardo Viana, membro do Grupo Contacto, participam nesta sexta-feira no evento de Vermont, batizado de "The gathering" (a reunião), onde além de Haddad e Varoufakis estarão Bill de Blasio, mayor de Nova Iorque, Ada Colau, alcaide de Barcelona, e Naomi Klein, uma autora reconhecida pelo seu trabalho sobre alterações climáticas. E está prevista para este fim de semana uma mesa-redonda entre Tavares, Haddad e Varoufakis no People's Forum, também de Nova Iorque. Os eventos de Nova Iorque são promovidos pela Jacobine, uma revista de esquerda.

Génese de uma "Internacional Progressita"

O objetivo desta convergência de nomes da esquerda, explica Tavares, é "levar à ascensão de uma Internacional Progressista" que se assuma como oposição global à "ascensão" de movimentos de extrema-direita. Uma ideia defendida recentemente pelo próprio Sanders, mentor destes encontros, num artigo publicado no The Guardian. "É uma urgência: a ascensão do autoritarismo é hoje em dia um fenómeno global, não o podemos negar, e deve ser combatida de forma global. A esquerda deve rejeitar qualquer estratégia nacionalista. A estratégia para responder é global", insistiu.

No encontro do Vermont o tema fundamental serão as alterações climáticas enquanto a oposição à extrema-direita será o tópico principal em Nova Iorque.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG