Operação Marquês. Juiz pediu documentos sobre acordos com a Venezuela, mas ainda não foram encontrados

"Solicitámos à secretaria-geral que verificasse se entre os documentos que tem em arquivo algum correspondia à solicitação do tribunal, não foi encontrado nada", afirmou o ministro Pedro Siza Vieira.

O ministro da Economia afirmou esta terça-feira que o juiz de instrução do processo Operação Marquês solicitou ao Ministério documentos sobre os acordos celebrados entre o Governo de José Sócrates e a Venezuela, mas ainda não foi encontrado qualquer documento.

"Foi feita uma solicitação pelo tribunal de instrução criminal ao Ministério da Economia. Nós solicitámos à secretaria-geral que verificasse se entre os documentos que tem em arquivo algum correspondia à solicitação do tribunal, não foi encontrado nada. Vamos perguntar novamente ao tribunal se é capaz de ser mais específico nos documentos que pretende solicitar", disse Pedro Siza Vieira em declarações a jornalistas à margem de uma visita a uma empresa têxtil de Barcelos.

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital adiantou que vai ser pedido ao juiz que seja "mais específico" em relação aos documentos que pretende.

Pedro Siza Vieira sublinhou que, "obviamente", quer o Ministério que tutela quer qualquer outro "disponibilizarão tudo aquilo que o tribunal considere necessário para apuramento dos factos e para a atividade judiciária".

Segundo o jornal Correio da Manhã, em causa estão as atas da Comissão de Acompanhamento dos acordos económicos celebrados em 2008 entre o governo português, então liderado por José Sócrates, e a Venezuela, na presidência de Hugo Chávez.

Sócrates está acusado de 31 crimes

José Sócrates é um dos arguidos no processo Operação Marquês, tendo estado preso preventivamente durante dez meses, a que se seguiram mais 42 dias em prisão domiciliária.

Está acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.

A Operação Marquês teve início a 19 de julho de 2013 e culminou na acusação a 28 arguidos - 19 pessoas e nove empresas - a 11 de outubro de 2017 pela prática de 188 de crimes económico-financeiros.

Exclusivos

Premium

Gastronomia

Quem vai ganhar em Portugal as próximas estrelas Michelin

É já no próximo dia 20, em Sevilha, que vamos conhecer a composição ibérica das estrelas Michelin para 2020. Estamos em festa, claro, e festejaremos depois com os nossos bravos, mesmo sabendo que serão poucos para o grande nível a que já chegámos. Fernando Melo* escreve sobre os restaurantes que podem ganhar estrelas Michelin em 2020 em Portugal.