Jornadas. CDS aposta nas eleições europeias e na saúde

Os deputados centristas reúnem-se em jornadas em Braga, distrito onde o partido tem forte implantação. Em tom de pré-campanha para as europeias vão manter ataque ao governo na frente da saúde e segurança interna.

O líder parlamentar do CDS assume que as jornadas parlamentares do partido, que começam esta segunda-feira em Braga, são uma montra para as eleições europeias de 26 maio. "Queremos uma Europa mais eficaz, mais solidária e mais coesa", garante Nuno Magalhães.

As políticas de coesão serão o mote para discutir o presente e futuro da UE, num painel moderado pelo antigo ministro centrista Pedro Mota Soares, que será o número dois da lista do partido às europeias, e na qual participa o cabeça de lista, Nuno Melo.

O presidente do grupo parlamentar centrista frisa que o CDS deu um passo em frente já há algum tempo ao ter anunciado os primeiros quatro elementos da lista do partido às eleições europeias: Nuno Melo, Pedro Mota Soares, Raquel Vaz Pinto e Vasco Widemberg.

Ainda na órbita da Europa, haverá uma almoço-debate para discutir o polémico artigo 13, da Diretiva dos Direitos de Autor na Internet, e que terá à mesa a representante da Comissão Europeia em Lisboa, Sofia Colares, o produtor do grupo musical Os Azeitonas, João Salcedo, e será dada voz a alguns bloggers.

Os deputados centristas voltam também à carga com os problemas da Saúde. Vão visitar o Hospital de Braga, que "está em risco não por prestar um mau serviço, mas porque o governo quer deitar tudo a perder acabando com a parceria-público privada", afirma ao DN Nuno Magalhães.

Nestas jornadas, que encerram como habitualmente com uma intervenção da deputada e líder do partido, Assunção Cristas, vai ainda ser a questão da segurança interna nas suas várias vertentes, a começar pela Proteção Civil. "Neste campo o governo tem falhado em tudo", assegura Nuno Magalhães. Para falar do tema, foi convidado o ex-comandante da Proteção Civil, José Manuel Moura. Serão ainda abordadas as vertente policial e da sinistralidade rodoviária.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG