Jerónimo de Sousa considera que últimos quatro anos valeram a pena

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou que os últimos quatro anos na 'Geringonça' valeram a pena e recordou que nem sempre o PS acompanhou a CDU, tendo assumido medidas "contra a sua vontade".

O líder comunista discursava pelas 22:30 numa festa-comício da Juventude CDU no Jardim de São Pedro de Alcântara, em Lisboa.

"Valeu a pena este percurso, em que nos últimos quatro anos o PCP e o PEV decidiram não desperdiçar nenhuma oportunidade para responder aos problemas mais pendentes da sociedade portuguesa. Não foram anos perdidos", realçou Jerónimo de Sousa, perante cerca de 100 pessoas.

As declarações de Jerónimo de Sousa surgiram na sequência de uma notícia do jornal Expresso, no sábado, que dava conta que após a Festa do Avante! começou a circular nas redes sociais um "Manifesto dos Comunistas contra a Geringonça", que reprova a estratégia seguida pelo PCP nos últimos quatro anos de Governo socialista.

Para o dirigente, muitas medidas foram assumidas contra a vontade dos socialistas durante os quatro anos de Governo socialista.

"O PS nem sempre acompanhou [a CDU]. Muitas medidas foram assumidas mesmo contra a sua vontade", atirou o líder comunista.

De acordo com Jerónimo de Sousa, medidas como a aprovação da gratuitidade de manuais escolares, a redução de propinas no ensino universitário, baixar o IVA nos instrumentos musicais e nos espetáculos, entradas gratuitas nos museus aos domingos e feriados e a redução do preço dos passes sociais aconteceram por influência da CDU, interrompendo "medidas de ataques brutais ao presente e ao futuro dos jovens portugueses".

Jerónimo de Sousa precisou que a implementação das ideias dos comunistas só foi possível após o PSD e o CDS terem sido afastados, em 2015, e porque o PS não tinha a maioria.

"O PS não tinha as mãos livres para executar o seu programa de sempre, porque era um Governo minoritário", disse o secretário-geral do PCP.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.