Investir, investir, investir: PCP quer dar prioridade aos serviços públicos

Comunistas preparam programa eleitoral. Jerónimo de Sousa recusa que este seja caderno de encargos para negociar à esquerda, mas vê com "grande dificuldade objetiva" entendimento com socialistas, por causa do "amarramento" à UE.

O PCP está a trabalhar no seu programa eleitoral, que será divulgado no próximo mês de julho, mas esta quarta-feira o seu secretário-geral, Jerónimo de Sousa já apresentou a palavra de ordem dos comunistas para as próximas eleições legislativas: investir, investir, investir - com absoluta prioridade ao investimento público.

Para já, Jerónimo de Sousa recusa que este seja um caderno de encargos para negociar à esquerda, porque antes de mais o PCP se dirige aos portugueses "e não a uma futura solução de governo". "Antes de discutimos futuro governo, temos de ver o que resultará das eleições", afirmou, antecipando uma questão anterior: "Governo para quê? Para executar que política?"

Falando aos jornalistas na sede do partido, em Lisboa, o líder comunista não deixou de sublinhar "uma ideia fundamental" desta legislatura que está a terminar: "Deram-se passos importantes, na reposição de rendimentos e direitos", que "neste caso, é preciso aprofundar". Se for "para andar para trás, não contarão com o PCP", só "se for para avançar". No entanto, Jerónimo reconheceu que vê com "grande dificuldade objetiva" um entendimento com os socialistas, "tendo em conta esse amarramento, esses constrangimentos que o PS tem vindo a aceitar" impostos pela União Europeia.

"Quando em relação a problemas gritantes, necessidades absolutas, o governo vem sempre com a desculpa de sempre: não há dinheiro", e nunca se ouviu igual desculpa para "encharcar" a banca e o sistema financeiro, apontou Jerónimo.

É por isso que, nas linhas de orientação para o programa eleitoral, apresentadas agora por Jerónimo de Sousa, o PCP defende a necessidade de "dar prioridade ao investimento público", recusando que o excedente orçamental seja gasto no "sorvedouro da dívida" mas antes para "assegurar a base material para um elevado nível de investimento público nas infraestruturas e equipamentos do Estado, no desenvolvimento qualificado de todos os serviços públicos".

O PCP inscreve no seu programa eleitoral "um programa ambicioso de financiamento dos serviços públicos e das funções sociais do Estado", "invertendo o crónico subfinanciamento dos meios indispensáveis", onde se destaca um "um programa extraordinário de investimento no setor dos transportes públicos".

Os comunistas sublinham ainda a prioridade de "um programa de investimento na Saúde", que garanta a contratação de profissionais e assegure o "retorno à esfera pública dos estabelecimentos hospitalares entregues a privados".

Neste capítulo, o PCP quer também recuperar o controlo público de setores estratégicos, exemplificando com os CTT. Sem excessos que recordem 1975: "É necessária a reversão desses processos e proceder, por negociação adequada com os seus titulares, pela nacionalização ou outros instrumentos, à sua inclusão no setor dos meios de produção públicos conforme o ordenamento constitucional."

Aliás, os comunistas fazem da Lei Fundamental do país o garante do seu programa eleitoral: "Um programa patriótico e de esquerda, inscrito na Constituição da República Portuguesa."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.