Só dois votaram contra a defesa de Robles. E nenhum foi Fazenda

Eleitos da moção R do BE foram os únicos que votaram contra comunicado a defender o vereador demissionário. Opositores internos querem declarações de interesses bloquistas na internet.

Há uma guerra surda que se abriu no Bloco de Esquerda depois de conhecida a renúncia de Ricardo Robles, nesta segunda-feira de manhã, horas depois de chegar às bancas o jornal i, no qual Luís Fazenda sugeria que o Bloco tinha de "tirar conclusões" com este caso.

O comunicado da comissão política do BE a defender Ricardo Robles só mereceu a contestação interna dos "eleitos da moção R", de acordo com um comunicado divulgado no Facebook.

Apenas Samuel Cardoso e Carlos Carujo (que substituiu Catarina Príncipe nessa reunião) votaram contra a posição da direção, apurou o DN.

Luís Fazenda não se opôs à defesa ensaiada pela direção bloquista da posição de Ricardo Robles na sexta-feira à noite. Não se absteve nem votou contra e tomou a palavra, apesar de não ter sido possível apurar o teor dessa intervenção. O DN não conseguiu até ao momento falar com o fundador e antigo deputado do partido.

Na minuta da reunião de 27 de julho de 2018, disponível no site do BE, lê-se que "estiveram presentes Catarina Martins, Jorge Costa, Samuel Cardoso, Conceição Peralta, Isabel Pires, Joana Mortágua, Fabian Figueiredo, Patrícia Barreira, Beatriz Gomes Dias, Luís Monteiro, Luís Fazenda, Maria Manuel Rola, Pedro Soares, José Soeiro e José Gusmão e Mariana Mortágua" e que "participaram ainda Pedro Filipe Soares, por videoconferência, Carlos Carujo, em substituição de Catarina Príncipe, e, como convidados, Adelino Fortunato e Ricardo Robles".

De acordo com esse documento, "a reunião teve como ponto único da ordem de trabalhos a análise da situação política", na qual "intervieram Catarina Martins, Ricardo Robles, Samuel Cardoso, Luís Fazenda, Adelino Fortunato, Pedro Soares, Conceição Peralta, Jorge Costa, Fabian Figueiredo, Beatriz Gomes Dias, José Soeiro, Pedro Filipe Soares, Joana Mortágua, Patrícia Barreira, Carlos Carujo, José Gusmão, Maria Manuel Rola, Isabel Pires". O texto final que garante que Robles tem "legitimidade" para continuar vereador "foi aprovado", "com dois votos contra e zero abstenções".

Para os eleitos da moção opositora, a R, "apesar dos aproveitamentos políticos escabrosos e de várias mentiras que se misturaram pelo meio das histórias que se foram contando sobre isto, não se pode reduzir estes factos a um 'ataque da direita' ou a 'fake news'". E acrescentaram: "Pensamos que não se pode cometer o erro de subavaliar o tremendo impacto desta conduta, afetando não só o trabalho político realizado no concelho de Lisboa e a capacidade do BE de defender nacionalmente uma política anticapitalista de habitação, mas também a imagem do conjunto do BE."

Portal de transparência para bloquistas

Criticando "a gestão política deste processo pela maioria da direção do partido" como "desastrada" e que deixou "fragilizado o partido", os eleitos da moção R defenderam que "este caso volta a alertar-nos para a necessidade de transparência absoluta na política e em particular num partido anticapitalista", pelo que defenderam "que o BE deve criar na internet um portal da transparência no qual deveriam constar propriedades e registos de interesses de dirigentes e membros do partido que ocupem lugares públicos de destaque, doações de dirigentes e deputados/as ao partido, salários de funcionários/as por categoria para além do conjunto integral das contas do partido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.