Site do partido de André Ventura foi criado por autor de desinformação ligado ao e-toupeira

O criador da página oficial do partido Chega é Hugo Gil, um blogger do Benfica, testemunha no caso e-Toupeira, acusado de divulgar desinformação sobre desporto. Futebol, política e fake news cruzam-se na mesma história.

A ligação é antiga. André Ventura e Hugo Gil são amigos, e benfiquistas. Quando o ex-vereador de Loures decidiu criar o seu partido, Chega, pediu ao ex-árbitro e blogger futebolístico para o ajudar a criar uma página na internet.

Hugo Gil trabalha para uma empresa de marketing, a Remarkable, que o Benfica contrata. Mas é também criador de outros sites, sensacionalistas e de desinformação. Um deles chama-se Tás Louco. Ali são publicadas histórias sobre celebridades, futebol, fait divers. Hugo Gil garante que se desligou desse site "há muitos anos". Mas admite que ajudou a criar várias páginas: "Há seis anos desenvolvi outros sites para amigos. Que eu tenha conhecimento, já não sou administrador."

A curiosidade é que várias destas páginas de desinformação estão alojadas precisamente no mesmo sítio onde foi criada a página do partido de André Ventura. O domínio foi comprado à Sampling Line, de Odivelas, e o alojamento é feito nos servidores Cloudflare, nos EUA. Aí, o mesmo certificado é utilizado para vários domínios: 90minutos, Aominuto, Jornalnacional, Livredireto, Noticiaonline, Noticiario.com, Noticias.com.pt, Noticias24, Verdade.com.pt, entre outros. Sobre essas páginas Hugo Gil garante: "Não faço a mínima de quem seja."

Mas na página do Chega há um registo seu. Foi assim que o especialista em internet João Pina encontrou o nome de Hugo Gil. É o ID1 do registo, ou seja, o criador da página. João Pina comparou as hash de MD5, ou seja, o algoritmo do e-mail de quem registou a página com o do e-mail de Hugo Gil e constatou que eram iguais.

Hugo Gil, questionado pelo DN, confirma. "A título pessoal acedi ao pedido do meu amigo André Ventura e dei início à construção de um site oficial na internet. Tenho conhecimento na área e como tal não disse que não. Foi meramente pessoal, tanto que já não sou responsável pelo estado atual do site."

"Não produzo notícias falsas. Se isso fosse verdade, a maioria da imprensa desportiva em Portugal não era credível."

Para Hugo Gil, a acusação de que é autor de notícias falsas é apenas uma farpa dos seus adversários clubísticos. "Toda a gente sabe que essa acusação partiu do FC Porto/Sporting para me tentar tirar credibilidade. Não produzo notícias falsas. Se isso fosse verdade, a maioria da imprensa desportiva em Portugal não era credível."

Há, no entanto, um processo que decorre em tribunal. Foi por isso que o nome de Hugo Gil chegou, como testemunha, ao processo e-Toupeira. O criador dos sites pediu a Paulo Gonçalves, pelo WhatsApp, ajuda para lidar com a sua situação de arguido num processo de difamação. Ouvido pelas autoridades que investigavam o caso das alegadas "antenas" do Benfica no aparelho judicial, Hugo Gil garantiu que Paulo Gonçalves não lhe transmitiu nenhuma informação.

A lista de textos por confirmar no seu site é longa: Rui Vitória sai do Benfica, Jorge Jesus regressa, essas histórias que marcaram a agenda. Mas a desinformação tem outras formas. Os comentadores dos outros clubes são "mentirosos", em vários títulos. Um ex-porta-voz do Sporting é tratado por "Quasimodo". O futebol é aqui um tema secundário. Os textos são sobre outra coisa.

Há um padrão na forma como são tratados, por Hugo Gil, os adeptos, os jogadores e os dirigentes de outros clubes, os árbitros, os dirigentes da Liga. São todos culpados de alguma coisa. O registo é primário: os adversários "manipulam", são arguidos, mentem, corrompem, têm arbitragens favoráveis. O futebol, visto assim, parece uma guerra sem quartel. Um caso de polícia.

A utilidade desta visão do mundo para um partido que se quer afirmar é clara: há uma legião de seguidores desta espécie de teoria da conspiração. No Facebook há mais de 20 mil seguidores da página. Há muitos sites (daqueles que citamos acima) que replicam as suas histórias. A comunidade dos leitores de textos futebolísticos pode, rapidamente, ser também o grupo-alvo da mensagem do partido. Em vez de Porto e Sporting, os adversários serão outros: políticos, gays, ciganos. Seja qual for a mensagem do partido, há uma rede de sites que se fazem passar por órgãos de comunicação social, que a podem difundir.

André Ventura explicou ao DN que "Hugo Gil esteve no início da criação do domínio quando ainda era um movimento dentro do PSD, juntamente com outros". "Agora já não tem nada a ver com a manutenção do site do Chega, que tem um coordenador e uma equipa", acrescentou o líder do partido.

Nota: notícia atualizada às 8.036, com as declarações de André Ventura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.