Segundo chefe de gabinete do ministro da Defesa envolvido em polémica

Civil escolhido pelo ministro João Gomes Cravinho afirma desconhecer qualquer inquérito sobre a sua atuação como cônsul-geral em São Paulo.

O diplomata Paulo Lourenço é o segundo chefe de gabinete do ministro da Defesa envolvido em polémica no último mês e meio, depois de o tenente-general Martins Pereira surgir diretamente ligado ao caso de Tancos.

Mas se a história com o general se confirmou - sendo Azeredo Lopes o ministro da Defesa - e foi assumida pelo próprio, no caso do civil escolhido pelo ministro João Gomes Cravinho parecem existir incongruências e o próprio rejeita conhecer o que quer que seja sobre a polémica em que surgiu este domingo na manchete do Correio da Manhã.

Em causa, noticiou o jornal e citando a Procuradoria-Geral da República, um inquérito do Ministério Público relacionado com "a descoberta de uma alegada conta bancária" do consulado-geral de São Paulo com cerca de três milhões de euros indevidamente contabilizados.

A investigação "terá sido desencadeada" depois da descoberta de "alegadas irregularidades na concessão de Vistos Gold a cidadãos brasileiros"por parte do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Uma primeira dúvida reside no facto, confirmado pelo DN junto de fontes do SEF, de que nada relacionado com a tramitação dos vistos gold passa pelos consulados e embaixadas - a quem caberá apenas informar eventuais interessados sobre o processo da sua obtenção.

É o SEF, após receber um pedido de autorização de residência para atividades de investimento, quem faz toda a investigação e contacta com o requerente, precisaram as fontes desse serviço de segurança.

Paulo Lourenço, que foi cônsul-geral em São Paulo entre 2012 e 2018, "desconhecia e desconhece a existência de um inquérito" relativo ao tempo em que exerceu aquelas funções, afirmou o Ministério da Defesa ao DN.

Acresce, adiantou o gabinete de Gomes Cravinho, ser "falsa qualquer alegação de que existissem contas não escrituradas ou indevidamente manipuladas" durante o seu tempo à frente daquele consulado-geral, "habitualmente objeto de inspeções periódicas e ordinárias" do próprio MNE devido à "dimensão e volume de receitas" que - funcionando como Loja do Cidadão - gera pela prática de atos consulares.

A PGR confirmou ao DN que "foi localizado um inquérito relacionado" com o caso, mas "não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça".

Segundo o Correio da Manhã, outros dois diplomatas - o atual representante permanente junto da NATO (por um caso relacionado com o seu tempo em Berlim) e o ex-embaixador na Tailândia Luís Barreira de Sousa - "são também investigados no inquérito relacionado com Paulo Lourenço".

A PGR, questionada pelo DN sobre se tal era verdade, nada respondeu.

No caso do embaixador Luís Almeida Sampaio, fica por perceber se há um novo caso que o envolve ou o jornal está a referir-se ao processo relacionado com uso indevido de verbas, enquanto embaixador em Berlim, e pelo qual lhe foi aplicada uma pena disciplinar pelo MNE.

Almeida Sampaio, como o DN noticiou há meses, pagou as verbas e multas em causa - o que levou o Ministério Público a arquivar o processo. Sobre isto, a PGR também não respondeu.

O processo disciplinar movido pelo MNE a Almeida Sampaio, por suspeita de utilização indevida de 400 mil euros, resultou na sanção de 150 dias sem remuneração e sem poder exercer funções - a qual foi suspensa por dois anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.