Secretária-geral adjunta do PS sai em defesa de Centeno

Ana Catarina Mendes defendeu que Mário Centeno "tem feito um trabalho extraordinário na recuperação da nossa economia com rigor das contas públicas"

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, saiu em defesa do ministro das Finanças, que foi criticado à esquerda e pelo ex-porta-voz socialista João Galamba, lembrando que, na sua opinião, Mário Centeno "tem feito um trabalho extraordinário na recuperação da nossa economia com rigor das contas públicas e ganho de credibilidade junto das empresas, das famílias em Portugal e das instituições europeias".

Depois da divulgação de um vídeo no qual o ministro português saudava, enquanto presidente do Eurogrupo, a saída da Grécia do programa de assistência financeira - e que Galamba descreveu como "lamentável" - Ana Catarina Mendes sublinhou, na sua página do Facebook, que "Portugal tem hoje a Presidência do Eurogrupo pelo trabalho que este Governo tem feito para que Portugal possa desenvolver-se com qualidade e mais oportunidades para todos".

Para a "número 2" socialista, "a Grécia tem vivido momentos muito duros" pelo que "a notícia da saída da ajuda financeira é uma boa notícia, em primeiro lugar para os cidadãos gregos, em segundo lugar pela possibilidade de olhar para o futuro com mais sensibilidade e maior confiança (os dados económicos já o vão demonstrando)".

Ana Catarina Mendes remata o texto afirmando que "não" defende nem "nunca" defenderá "a austeridade que as instituições europeias impuseram aos estados, como Portugal", mas nota que "saudar esta saída é perceber que na Europa se desenha um novo futuro, que a reforma da zona euro se impõe e que a solidariedade é mais importante que a austeridade!".

O presidente do Eurogrupo foi acusado de branquear os efeitos na Grécia das políticas de austeridade impostas pela UE e pelo FMI dentro do PS, pelo PSD e pelo Bloco de Esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.