Santana Lopes esclarece jantar com amigos

O DN recebeu de Pedro Santana Lopes uma carta ao diretor sobre o futuro da sua vida política, em resposta ao artigo "Santana sai do PSD sem arrastar figuras de peso. Ex-apoiantes zangados".

Senhor Diretor Ferreira Fernandes

Com toda a consideração por Vossa Excelência e pelo jornal que dirige, venho solicitar que publique um desmentido a um texto da jornalista Paula Sá hoje [DN de 9 de agosto]] publicado na primeira página do DN.

Conheço - a há muitos anos e considero - a muito profissionalmente.

A jornalista Paula Sá tem tentado muito, nestas últimas semanas, contactar comigo mas eu já lhe fiz saber que entendo não ser a altura adequada. Quando entender que estão reunidas as condições para o efeito, será certamente um dos primeiros jornalistas para quem estarei inteiramente disponível.

O texto publicado pelo DN funda-se efectivamente em factos que não são verdadeiros.

Não promovi jantar nenhum para o efeito referido na notícia do DN. Como já referi publicamente, as minhas decisões sobre o futuro da minha vida política foram tomadas por mim, tendo apenas auscultado o sentimento da minha Família e dado a conhecer os meus propósitos à Conceição Monteiro.

Janto com os meus amigos regularmente, muito naturalmente, mas o texto da notícia do DN não encontra qualquer colagem com a realidade.

Continuo a pensar e a trabalhar, e não estou nada só, na forma de intervir na vida pública no Futuro.

E haverá certamente notícias interessantes para o domínio público, dentro em breve. O DN há-de recebê-las em primeira mão, dado o interesse demonstrado pelo assunto.

Desejando a melhor sorte para este novo ciclo de tão prestigiado Órgão de Comunicação apresento os meus Melhores cumprimentos

PSL

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.