Rui Rio quer "fazer justiça" ao PSD/Madeira

O líder nacional do PSD disse este domingo que a sua participação na festa do partido no Chão da Lagoa visa "fazer justiça" ao desempenho dos social-democratas madeirenses e sublinhou o cariz "genuíno" do evento.

"Venho aqui fazer justiça àquilo que é o trabalho que o PSD fez ao longo destes quarenta e tal anos, desde 1976, em prol de uma franja do território nacional, que é a Madeira", afirmou aos jornalistas, no momento em que iniciou o percurso pelas barracas representativas das 54 freguesias da região autónoma.

O presidente do PSD chegou a meio da manhã à Herdade do Chão da Lagoa, nas serras do Funchal, acompanhado pelo líder regional do partido e presidente do governo madeirense, Miguel Albuquerque, onde encontrou o ex-chefe do executivo Alberto João Jardim, que já não participava na festa deste 2015.

"Com certeza que me sinto bem na presença dos dois. Se não estivessem os dois é que não me sentiria bem", afirmou Rui Rio, mostrando-se, por outro lado, confiante na vitória do PSD nas eleições regionais do próximo ano.

O líder social-democrata considerou, no entanto, que a Festa do Chão da Lagoa - o maior evento partidário da Madeira - "não é o pontapé de saída para as eleições regionais", mas apenas um "primeiro passo", havendo ainda "um caminho a percorrer" até lá.

Rui Rio disse, por outro lado, que a Festa do Pontal, no Algarve, que assinala a reentrada política do PSD após o verão, este ano "vai ser diferente" e vai "regressar às origens", vincando também que está confiante que o partido vai alcançar bons resultados nos três atos eleitorais do próximo ano: legislativas nacionais, legislativas regionais e europeias.

Confiante mostrou-se também Alberto João Jardim, líder histórico do partido, que considerou que "se o PSD não ganhar, está-se muito mal" e sublinhou que o povo português é culturalmente social-democrata, afastando-se e aproximando-se do partido em função das lideranças e das pessoas que o dirigem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.