Rio só sairá se perder por muito nas legislativas

Perder por pouco ou perder por muito faz toda a diferença para Rui Rio. O líder do PSD só admite deitar a toalha ao chão se tiver uma derrota pesada nas legislativas de 2019.

"O resultado de outubro de 2019 é nuclear para eu decidir se continuo ou não continuo", admitiu Rui Rio, no programa Bancada Central da TSF. "Se ganhar as eleições por largo, ou por pouco, é completamente diferente de perder por uma margem substancial", afirmou o líder social-democrata.

Ou seja, Rio só admite abandonar a liderança num cenário de uma derrota pesada nas legislativas, em outubro, mesmo que o PSD venha a passar por um desaire eleitoral nas eleições europeias que se realizam meses antes. Porque, explicou aos microfones da TSF, tem um projeto e "é preciso tempo".

Sobre a linha ideológica do PSD, o presidente social-democrata admitiu que há uma evolução nos últimos 20 anos que "inclinaram mais o partido para a direita do que para a esquerda". Um deslocamento que se iniciou, disse, com Durão Barroso e que se acentuou, por influência da troika. "Aí há claramente um deslocamento", admitiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.