Rápido, exigente e cético. Quem é Ivo Rosa, o juiz da instrução a Sócrates

É o magistrado madeirense quem irá decidir se há indícios suficientes para levar José Sócrates a julgamento. Com Rosa, as provas têm de ser inabaláveis

Ponto para José Sócrates. Ivo Rosa é o juiz que irá decidir se o ex-primeiro-ministro vai ou não a julgamento no processo da Operação Marquês. O juiz madeirense, de 52 anos, é conhecido por ser o preferido das equipas de defesa, e em particular pela equipa do ex primeiro-ministro que estaria pronta a avançar para um incidente de recusa caso o escolhido fosse Carlos Alexandre. Pelo contrário, Rosa não é o juiz mais popular entre procuradores e investigadores. Tem fama de absolver arguidos mesmo quando as acusações aparentam ser sólidas, de ser indiferente ao mediatismo dos processos e por ver mais que uma das suas decisões ser alvo de recursos para o Tribunal da Relação de Lisboa. Para Ivo Rosa, as provas têm mesmo de ser à prova de qualquer dúvida, é rigoroso e exigente, detesta perder tempo e gaba-se de nunca se ter atrasado num prazo. O que não o impede de também ser conhecido pelas longas peças processuais, com todos os elementos elencados e as decisões justificadas ao ínfimo pormenor. Discreto por natureza, já foi chamado à ribalta mais que uma vez. Entre outras, quando disse ter publicamente sido despedido em Timor Leste.

Ivo Nelson de Caires Batista Rosa nasceu a 17 de setembro de 1966, em Santana, na ilha da Madeira, o quarto entre os cinco filhos de um casal de origens humildes. Ainda adolescente, os pais separaram-se, e foi a mãe, sozinha, quem criou os cinco rapazes. Rosa nunca casou e não tem filhos.

Em entrevista à RTP Madeira, onde um dos seus irmãos é jornalista, contou que teria "uns 16 ou 17 anos" quando se fascinou com a encenação de parte de um julgamento a que assistiu na Madeira. Após o liceu chegou a escolha por Direito na Universidade de Coimbra, mas sem nunca pensar em ser advogado, antes em ser ele a liderar julgamentos. Em Coimbra, raramente saía à noite, ia a praticamente todas as aulas, os seus apontamentos eram disputados pelos colegas e a fama era a de o típico aluno "certinho", como descreveu Paulo Prada, antigo colega de faculdade, ao Público.

Depois do curso, voltou à Madeira, onde esteve um ano num escritório de advogados de familiares. Em 1991, chegou a assessor jurídico da Câmara Municipal do Funchal, mas ainda nesse ano regressou a Lisboa para se formar como juiz no Centro de Estudos Judiciários. O seu primeiro ato como juiz foi um julgamento sumário, por condução sob efeito de álcool. Tinha 26 anos.

Os primeiros anos como juiz foram na ilha - entre 1993 e 1999 julgou processos-crime, cíveis, de família e de trabalho. Era rápido a decidir. Ivo Rosa não gosta de atrasos e nunca se perde em considerações que considera inúteis: "Nunca tive um processo atrasado ou uma decisão fora de prazo", revelou no mesmo programa da RTP Madeira. Assumindo-se como "muito exigente" consigo próprio, não esconde que exige a mesma dedicação a quem o rodeia.

As "guerras" com os procuradores

"Cético" em relação ao Ministério Público, como já escreveu o DN, foram já várias as "guerras" conhecidas entre Rosa e os procuradores. Nos processos do espião do SIS condenado por ser agente duplo da Rússia, ou no do marroquino acusado de terrorismo, ambos despronunciados dos crimes. Foi até pedido o seu afastamento no caso EDP porque despronunciou Manuel Pinho. E se nos corredores dos tribunais se diz que a maioria das decisões do magistrado que contrariam as investigações do MP são anuladas pelo Tribunal de Relação, também há quem lembre que os recursos nem sempre são aceites. É acusado de ter "mau feitio" e de sorrir pouco, críticas que os seus defensores justificam pelo foco com que aborda o trabalho. Anda assim, não evita o convívio com os colegas. O MP critica-o, mas há quem enalteça a sua "capacidade técnica superior" e "um compromisso inalienável com o cumprimento da lei". Os procuradores queixam-se de que é benevolente com os arguidos, do lado oposto garantem que apenas segue estritamente aquilo que diz o Direito. Não há margem para manobras. E Rosa não pretende protagonismo, aliás, evita-o.

Dividiu-se entre Funchal e Lisboa até 2005 quando chega aos tribunais coletivos, onde são julgados os crimes mais graves, puníveis com penas superiores a 5 anos de prisão. As suas decisões nas Varas Criminais de Lisboa valeram-lhe uma alcunha colocada pelo procurador José Niza, o juiz do "por si só". A explicação chega pelo modo de funcionamento em processos. Não só dava valor apenas à prova direta, como se recusava a apreciar a prova indireta de forma global, preferindo avaliar cada prova e indício de forma isolada. O que "por si só", descrevia Niza, levava à absolvição dos arguidos.

Em 2012, tornou-se o primeiro juiz português a ser eleito pela Assembleia Geral das Nações Unidas para o Mecanismo Internacional para os Tribunais Penais Internacionais, criado pelo Conselho de Segurança como substituto dos tribunais para a ex Jugoslávia e para os crimes de genocídio cometidos no Ruanda em 1994. Quatro anos depois, foi reconduzido pelo secretário-geral Ban Ki-moon. Depois, ainda ponderou aceitar um cargo no Programa de Assistência Europa Latino-Americana contra o Crime Organizado Transnacional, em Madrid, mas terá desistido, alegando motivos pessoais.

Em 2015, ano da entrada no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), a fama de Ivo Rosa já o precedia e todos se prepararam para a sua visão "restritiva" das provas. Para Ivo Rosa só conta o irrefutável e é esse o ponto da discórdia. Os seus críticos alegam que sendo a maioria dos processos que chegam ao TCIC de criminalidade económico-financeira a dificuldade de encontrar provas diretas tem de ser tida em conta.

Libertou arguidos do "Gangue do Multibanco"


O caso do "Gangue do Multibanco" - entre 2008 e 2009 o grupo fez mais de 100 assaltos no país -, caiu nas mãos de Ivo Rosa, então juiz-presidente do coletivo das Varas Criminais de Lisboa. Jonny Portela, cabecilha, e Fábio Rodrigues "Quinito", outro dos alegados líderes, estavam entre os 12 arguidos julgados por crimes graves como associação criminosa, roubo agravado, furto qualificado, detenção de arma proibida e tráfico de droga. Rosa só condenou Jonny Portela e a uma pena de prisão de 2 anos e 6 meses de prisão - por tráfico de droga. Para o magistrado madeirense, não existia uma prova direta da prática dos crimes.

O procurador José Góis, que representava o MP, recorreu da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa, que anulou o julgamento feito por um "tribunal coletivo que, pelos vistos, só parece acreditar naquilo que vê ou que é demasiadamente evidente". Dessa vez, Ivo Rosa perdeu - em 2012 o julgamento foi repetido e oito dos 12 arguidos acabaram condenados pela maioria dos crimes que lhes tinham sido imputados.

Há quem considere o julgamento do "Gangue do Multibanco" o erro mais grave da carreira do magistrado madeirense, mas Rosa nem isso lhe terá causado dúvidas. Quem o conhece garante que quando toma uma decisão o faz com a absoluta certeza de estar a agir da forma correta e nem os eventuais dissabores o fazem vacilar. Foi assim em Timor Leste.

Num programa das Nações Unidas em 2006, assumiu um lugar de juiz no país mas em 2009 o conselho da magistratura timorense não lhe renovou o contrato. Ivo Rosa esclareceu: "Fui despedido devido a decisões que tomei no âmbito das minhas funções, (...) que não foram do agrado do poder político", disse na entrevista à RTP Madeira. Mais tarde, um juiz português que chegou depois ao país colocou-se ao lado de Rosa defendendo que o trabalho feito serviu para afirmar a "independência do poder judicial", segundo disse ao Observador.

Depois de Timor, ao abrigo de um programa da União Europeia, ainda seguiu para a Guiné Bissau, como formador de juízes, mas é no 'Ticão' que se sentirá mais em casa. Explicou o porquê na entrevista na RTP Madeira: "Segundo a Constituição, o JIC [o Juiz de Instrução Criminal] é um juiz das garantias e, portanto, eu e todos os JIC temos essa função: é apenas garantir os direitos liberdades e garantias dos cidadãos que estão sob investigação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.