Rangel desafia Costa a manter Moedas como comissário europeu

Paulo Rangel diz que sociais-democratas nunca disseram que as contas do Governo estavam erradas, só as opções políticas.

O cabeça de lista do PSD às europeias instou este domingo o primeiro-ministro a manter Carlos Moedas como comissário europeu, evitando jogos taticistas para colocar outro português no novo executivo comunitário.

Paulo Rangel, à margem de uma visita de campanha à barra e ao porto de pesca de Vila do Conde, disse não ter ficado incomodado com a entrevista de Carlos Moedas ao DN e à TSF, publicada esta manhã, em que o ainda comissário europeu elogiou o rigor do Governo PS em matéria de contas públicas.

Considerando normal aquela posição elogiosa de Carlos Moedas, Rangel sublinhou que para o PSD tem estado em causa são as opções políticas e os critérios de investimento de António Costa - de que é exemplo o SNS e a informação deste domingo sobre o aumento da mortalidade materna, invertendo uma tendência dos últimos 20 anos.

Paulo Rangel desafiou o primeiro-ministro a renovar a confiança em Carlos Moedas como membro português da Comissão Europeia que resultar das eleições deste mês.

Costa, em vez de andar em jogos taticistas para escolher um sucessor, deve aproveitar o trabalho de Moedas nos últimos cinco anos como titular da pasta da Investigação, Ciência e Inovação, argumentou Paulo Rangel.

"Há um preço que estamos a pagar" devido às opções políticas do Governo PS, insistiu o candidato social-democrata, acrescentando que um executivo do PSD - embora estando a favor das metas europeias - teria dado prioridade ao SNS e à segurança de pessoas e bens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.